Entrar

Empréstimo com garantia de celular: tudo o que você precisa saber

Entenda as taxas de juros cobradas, como funciona e se essa modalidade vale ou não a pena para você.

Foto Vanessa Conulista
Publicado em: 07 de dezembro de 2021.

Nos últimos anos, o Brasil tem crescido muito em alternativas de empréstimo – o que beneficia uma parte dos consumidores que não conseguem acessar linhas de crédito tradicionais. Uma dessas alternativas é o empréstimo com garantia de celular.

Normalmente, essa modalidade de crédito é destinada a pessoas que ganham entre um e dois salários-mínimos por mês, estão negativadas e têm score baixo. Dessa forma, a garantia do celular que é dada na hora do empréstimo tende a oferecer mais confiança para a empresa que está oferecendo o dinheiro, o que aumenta as chances de aprovação do crédito.

Aliás, essa é uma necessidade de grande parte dos brasileiros. Um estudo recente realizado pela Serasa mostrou que, no último ano, cerca de 40% dos consumidores que buscaram crédito no mercado tiveram seus pedidos negados.

Nesse cenário, o mercado de microcrédito – crédito de pequeno valor solicitado – está em constante ascensão. Esse tipo de crédito é direcionado a um público restrito, definido por sua baixa renda e que usualmente não tem acesso às formas convencionais de crédito, além de microempreendedores informais.

Neste conteúdo, vamos explicar em detalhes o que é e como funciona o empréstimo com garantia de celular, os valores oferecidos, taxa de juros e se vale ou não a pena contratar essa modalidade de crédito.

Como funciona o empréstimo com garantia de celular

Antes de mais nada, vale a pena explicar o que é um empréstimo com garantia. Trata-se de uma modalidade em que a pessoa interessada em tomar crédito oferece um bem como garantia à instituição financeira em caso do não pagamento.

E essa garantia pode ser vendida para quitar a dívida em caso de inadimplência ou até mesmo sofrer restrições ou bloqueio, como no caso de empréstimo na conta de luz ou com garantia de celular.

A ideia é fazer com que o cliente não deixe de cumprir o compromisso, com o risco de perder o bem atrelado a esse acordo. As instituições podem aceitar diversos bens como garantia: o imóvel, o veículo, joias, salário ou até o celular, como já dito.

Agora, voltando o foco ao aparelho de telefone móvel, a forma de fazer com que o cliente pague as parcelas do empréstimo é bloqueando o celular. Isso mesmo, quem não paga, fica com uso restrito do aparelho.

Ou seja, em caso de inadimplência, o celular é travado para uso, e o cliente tem acesso somente a ligações de emergência. Quando as parcelas em atraso são pagas, ocorre automaticamente o desbloqueio.

E como é feito o bloqueio? Por meio de um aplicativo instalado no momento da contratação do empréstimo. Como o processo de solicitação é todo online, a instalação do app fica mais fácil. Mas não se preocupe, pois esse procedimento é autorizado pelo Banco Central e não oferece nenhum risco para os dados do seu aparelho.

Quais celulares são aceitos como garantia?

Esse aqui é outro ponto que precisa ser levado em consideração. Nem todos os aparelhos são aceitos no empréstimo com garantia de celular, mas uma boa parte está elegível. Cerca de 80% dos celulares com sistema operacional Android estão liberados para a ação.

Lembrando que a avaliação para saber se o aparelho será ou não aceito também ocorre de forma online. Ou seja, não é necessário levá-lo a nenhum lugar físico.

Vale a pena fazer empréstimo com celular como garantia?

Diante dos fatos apresentados, é necessário entender a sua real necessidade e condições de pagamento.

Antes de decidir pelo empréstimo com garantia de celular, você precisa entender todas as taxas que serão cobradas. Isso é conhecido como Custo Efetivo Total, o famoso CET.

Pode ser que a taxa de juros anunciada por uma instituição financeira seja baixa, mas ela pode cobrar outros encargos além dela, como as taxas administrativas, que deixam o

empréstimo mais caro. Dessa forma, o valor total do empréstimo pode ser maior do que o esperado.

O CET engloba as taxas de juros e todos os encargos envolvidos na operação, então, é o percentual que realmente será aplicado no seu empréstimo. Fique atento a essa sigla para entender exatamente o quanto precisará pagar. Neste vídeo do Serasa Ensina, você pode entender melhor o que é e como funciona o CET:

Também é preciso compreender as condições que a empresa exige, como comprovar renda, entre outras. E o mais importante: você vai conseguir honrar esse compromisso financeiro? Lembre-se que, caso não pague as parcelas do empréstimo, seu telefone será totalmente bloqueado, liberado apenas para chamadas de emergência.

Neste caso, se você usa o celular para trabalho, por exemplo, é necessário refletir muito e analisar cuidadosamente antes de tomar qualquer decisão.

Por outro lado, o empréstimo com garantia de celular pode ser uma alternativa interessante para quem busca crédito com juros mais baixos e aprovação facilitada. Isso porque, com o aparelho em garantia, o risco envolvido na operação diminui e a instituição financeira pode oferecer melhores condições para liberar o empréstimo a você.

Para fazer um empréstimo com garantia de celular, você precisa, primeiro, encontrar as instituições financeiras que oferecem essa modalidade. Muito cuidado na hora da busca para não cair em golpes.