Entrar

O que é Copom e como ele afeta as linhas de crédito

Descubra o que é Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), para que serve e qual sua relação com a taxa Selic e empréstimos.

colunista elaine ortiz
Publicado em: 26 de julho de 2022.

Talvez você tenha ouvido falar na televisão, no rádio ou na internet que mais uma reunião do Copom terminou e a Selic subiu para tantos por cento (ou baixou ou ficou no mesmo patamar), não é? Mas você sabe de verdade o que é Copom, como atua esse órgão do Banco Central, para que serve e como suas decisões afetam seu bolso?

Preparamos um conteúdo especialmente para você, a fim de esclarecer tudo sobre o assunto. Vamos lá?

Leia também | O que é Taxa Selic e como ela afeta sua vida?

O que é Copom e quais suas funções?

O Comitê de Política Monetária (Copom) é o órgão do Banco Central, formado pelo seu presidente e diretores, que define, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia – a Selic. E essa taxa influencia todas as outras taxas de juros do país, como as aplicadas em empréstimos, financiamentos e até na rentabilidade dos investimentos. É por isso que ela afeta seu bolso diretamente!

Criado em junho de 1996, o Copom tem como objetivo tornar as decisões relacionadas à política monetária mais transparentes, além de criar um ritual em torno dessas decisões. Assim, os objetivos do Comitê são justamente estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a meta para a Taxa Selic.

Esse comitê é formado pelo presidente e diretores do Banco Central do Brasil, além de outros agentes de departamentos ligados direta ou indiretamente à nossa economia. E foi inspirado em um exemplo adotado nos Estados Unidos, o Federal Open Market Committee (FOMC), e por outro órgão relacionado ao banco central alemão, o Central Bank Council.

Assista | Selic e IPCA: O que é e como funciona?

Como funciona uma reunião do Copom e qual a relação com a Selic?

Desde 2006, as reuniões do Copom acontecem a cada 45 dias, ou seja, oito vezes por ano. Geralmente os encontros ocorrem às terças e quartas-feiras e o calendário das próximas reuniões, bem como de outros períodos, pode ser acessado na página oficial do comitê, no site do Banco Central do Brasil.

No primeiro dia de reunião, alguns membros do Bacen e chefes de departamentos se reúnem e apresentam aspectos técnicos relacionados à conjuntura econômica do país, como dados do sistema bancário, resumo do mercado monetário, detalhes sobre câmbio, balanços de pagamentos, resumo da política fiscal, aspectos da inflação, entre outros.
Já no segundo dia do Copom, os participantes analisam todos esses dados e outras informações que interferem diretamente na economia e avaliam os próximos passos do comitê de acordo com esse panorama.

Após um debate, cada um dos membros apresenta seu posicionamento e vota pelo corte, aumento ou manutenção da Taxa Selic. A partir dessa votação, o Copom define seu posicionamento oficial a respeito desses temas.

Ao final das sessões, é emitida uma ata com os assuntos discutidos e a meta da Taxa Selic para o período. Com essa informação, o mercado se reorganiza, identifica tendências futuras, muda estratégias. É por isso que o bolso de toda a população é impactado a cada reunião do Copom e mudança da Selic. Abaixo a gente explica melhor essa relação. Continue a leitura!

Leia também | Juros de cartão de crédito: 6 coisas que ninguém te conta

Afinal, como o Copom e a Selic afetam o meu bolso e as linhas de crédito no Brasil?

A Selic é uma ferramenta do Banco Central para controlar a inflação e deixá-la mais próxima da meta. Por isso, ela afeta quase todas as principais operações financeiras do país.

Basicamente, quando a Selic fica mais alta, as outras taxas de juros também aumentam e o resultado é uma desaceleração na economia, já que o acesso ao dinheiro fica mais restrito (crédito, empréstimos, financiamentos). Essa estratégia normalmente é usada para impedir que a inflação cresça demais e que os consumidores percam poder de compra.

Por outro lado, quando a Selic é reduzida, as taxas de juros também ficam mais baixas. Essa decisão tem como objetivo estimular o consumo e aquecer a economia.
Para ficar mais claro, quando a Selic aumenta:

● os rendimentos das aplicações financeiras em Renda Fixa e no Tesouro Direto aumentam;
● os preços dos produtos tendem a baixar ou ficar estáveis, como consequência do controle da inflação;
● os juros de crédito, parcelamento e cheque especial ficam mais altos.

Já quando a Selic diminui:

● o rendimento de títulos do Tesouro Direto e investimentos de renda fixa pós-fixada fica menor;
● o crédito fica mais acessível, já que os bancos tendem a baixar as taxas de juros;
● a inflação tende a subir.

A poupança também sofre os efeitos das mudanças na Selic. Isso porque seu rendimento está diretamente atrelado à taxa. Dessa forma, sempre que a Selic estiver acima de 8,5% ao ano, a poupança renderá 0,5% sobre o valor depositado + Taxa Referencial. E sempre que a Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano a poupança vai render 70% da Selic + TR.

Ficou claro que o trabalho do Copom é fundamental para a economia do país, né? Afinal, as mudanças na Selic são necessárias, já que a economia está sempre em movimento. Por isso é preciso adequá-la ao cenário para que exista um equilíbrio, o dinheiro continue circulando e a meta de inflação para o ano seja atingida.

Quando foi a última reunião do Copom e qual a Selic hoje?

O Copom se reuniu em 15 de junho de 2022 e elevou a Taxa Selic pela décima primeira vez consecutiva. Foi a 247ª reunião do Comitê e a decisão do aumento ocorreu por unanimidade. Assim, a Selic subiu de 12,75% para 13,25% ao ano, alta de 0,5 ponto percentual, o maior patamar desde novembro de 2016.

Com a Selic alta, o que fazer se precisar de empréstimo?

Quando a Taxa Selic aumenta, os brasileiros (pessoas físicas ou jurídicas) sentem a diferença, principalmente quando tentam solicitar crédito. Na prática, com a Selic alta, quem precisa de empréstimo, parcelamento ou financiamento acaba pagando mais para pegar dinheiro emprestado.

Em momentos como esse, é ainda mais importante comparar diferentes ofertas antes de contratar qualquer modalidade de crédito.

Para quem busca praticidade, o Serasa eCred, plataforma de crédito da Serasa, pesquisa, compara e recomenda as melhores opções de empréstimo disponíveis no mercado com base no perfil do consumidor.

O acesso à plataforma é gratuito e totalmente seguro. Conheça melhor o eCred e faça sua simulação gratuita! É prático, rápido e gratuito, e o melhor é que facilmente você consegue comparar e ver qual opção de empréstimo apresenta a menor taxa de juros, caso haja ofertas.

Agora que você já sabe o que significa Copom e entendeu sua relação com as linhas de crédito, aproveite para descobrir mais sobre empréstimo na conta de luz com juros mais baixos. E continue acompanhando os conteúdos exclusivos do blog da Serasa. Até a próxima!

serasaecred.com.br pertence e é operado pela Serasa S. A., uma sociedade anônima sob o CNPJ/MF 62.173.620/0104-95, com domicílio na Rua Dr. Léo de Carvalho, 74 – Sala 1105 – Bairro Velha – Blumenau-SC – CEP 89036-239. A Serasa S.A. não é instituição financeira. Somos um correspondente bancário das instituições: BANCO CBSS S/A – CNPJ: 27.098.060/0001-45, Banco Votorantim S.A. – CNPJ/ME: 59.588.111/0001-03, Banco Pan S.A. – CNPJ: 59.285.411/0001-13, Finamax S./A. – Crédito, financiamento e investimento – CNPJ: 00.411.939/0001-49 e possuímos uma plataforma online (“Serasa eCred”) que facilita o acesso de clientes a produtos e serviços ofertados por instituições financeiras parceiras e credenciadas na plataforma.

Os correspondentes bancários são empresas contratadas por instituições financeiras e demais instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil para a prestação de serviços de atendimento aos clientes e usuários dessas instituições. A atividade de correspondente bancário é regulada pelo Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. Prazo de pagamento: varia de acordo com a Instituição Financeira escolhida, podendo ser entre 3 e 60 meses. Custo Efetivo Total (CET): varia de acordo com a Instituição Financeira escolhida, podendo ser entre 26,76% e 605,85% a.a. Exemplo: Empréstimo de R$5.000,00. Taxa de juros: 3,23% a.m. A pagar em 18 parcelas mensais de R$380,55. Total a pagar: R$6.849,90. IOF incluso: R$134,00. Tarifa: R$0. CET: 52,80% a.a.

O Serasa eCred tem como compromisso a transparência com nossos clientes. Antes de iniciar o preenchimento de uma proposta, serão exibidos de forma clara: a taxa de juros utilizada, tarifas aplicáveis, número de parcelas, impostos (IOF) e o custo efetivo total (CET). Nossa central de atendimento está disponível para esclarecimento de dúvidas sobre quaisquer dos valores apresentados. Serasa Consumidor informa: o Serasa eCred é uma plataforma de comparação de ofertas de crédito 100% gratuita para consumidores.

Não realizamos nenhum tipo de cobrança para apresentar a você as propostas de crédito dos nossos parceiros. Caso receba alguma cobrança, não faça nenhum depósito ou pagamento, e entre em contato com o nosso time de atendimento.