Entrar

Golpe da bolsa de estudo falsa: o que fazer para não cair?

O golpe da bolsa de estudo falsa visa roubar dados pessoais e cobrar taxas de matrícula ou materiais didáticos. Saiba como não cair nos golpes da educação online.

É cada vez mais frequente os brasileiros pesquisarem online por oportunidades em cursos de universidades em outros países para intercâmbio ou ensino remoto. Porém, é preciso ter cuidado para não comprar gato por lebre. Aquele tão sonhado e-mail com a mensagem “Você foi selecionado!” pode ser uma isca para o golpe da bolsa de estudo falsa.

Como funciona o golpe da bolsa de estudo falsa?

Há duas formas de configuração do golpe de falsa bolsa de estudos: oferta de vaga em instituições inexistentes ou oferta de bolsa de estudo fraudulenta.

Os dados pessoais dos estudantes normalmente são coletados em testes em mídias sociais ou outros ambientes sem que a pessoa tenha consciência. Com informações sobre o interesse e como entrar em contato, o estudante vira alvo dos golpistas.

A fraude educacional também tem crescido na Europa e nos Estados Unidos, como estelionato e como venda ilegal de diplomas. Na Inglaterra, 85 websites de universidades falsas foram retirados do ar entre 2016 e 2021. O problema tem crescido com a normalização do ensino remoto durante a pandemia.

1. Universidades falsas

As universidades falsas têm se proliferado internacionalmente. O golpe consiste em desenvolver um website padrão de ensino superior, com fotos da sede, das salas de aulas, dos alunos, entre outras imagens. O site ainda terá telefones para contato, mapa de localização e lista de cursos. O portal é a isca para aplicar golpes de falsa bolsa de estudos ou falsa taxa de matrícula.

Na Índia, a comissão governamental que administra a concessão de bolsas desenvolveu uma página no site da instituição onde denuncia falsas universidades para alertar os estudantes do país. Normalmente, os golpistas tiram os sites do ar ao serem denunciados, mas, em seguida, seguem atuando em um novo endereço na Web.

Os estudantes visualizam no e-mail ou em mídias sociais as ofertas de bolsas em universidades internacionais que aceitam brasileiros. Os interessados preenchem informações pessoais em cadastros e, em seguida, recebem um e-mail com informações adicionais – em português ou inglês.

Uma das configurações do golpe é que o requisito para o aceite é ser aprovado no curso preparatório de inglês. Para isso, será cobrada uma taxa do estudante. Após o pagamento do valor, o aluno não recebe mais retorno. Tempos depois, o site sai do ar, o e-mail retorna e o aluno fica sem o curso de formação e com um prejuízo financeiro.

2. Bolsa de estudo falsa

A oferta de cursos curtos de formação proliferou após a pandemia da Covid-19. Com mais tempo em casa, muitos estudantes e até profissionais optaram por buscar aperfeiçoamento online.

Os golpes normalmente anunciam cursos gratuitos, formação curta e certificação pública ou mesmo emprego garantido. No Brasil, este tipo de fraude costuma ser divulgado por listas de transmissão em aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, ou por mídias sociais; e estimula que os interessados preencham um cadastro. Após cadastrar, o requisito é pagar uma taxa para receber o material de estudo em casa.

Um caso recente é da página de um centro educacional que oferece cursos de formação para jovens atuarem na área de saúde na cidade de Terra Roxa, em São Paulo. Muitos interessados se inscreveram e pagaram uma taxa de matrícula para garantir a vaga, mas descobriram mais tarde que era uma oferta falsa. A própria prefeitura da cidade publicou uma nota sobre o caso, alertando a população para não cair no golpe.

Cinco passos detectar golpes da educação online

Se a oferta for boa demais para ser verdade, provavelmente é golpe. As seleções para cursos de formação e aperfeiçoamento são bastante concorridas, com dezenas de candidatos. É pouco provável que você consiga a vaga sem passar por algum teste.

Além disso, ingressar em uma universidade internacional também requer um preparo antecipado, estudo do idioma, testes de conhecimento, avaliação de currículo, carta de recomendação. Portanto, antes de preencher cadastros por aí, faça o checklist dos cinco passos para detectar o golpe da educação online.

1. Procure conhecer a instituição

A oferta de bolsa de estudos é exatamente o que você esperava e por acaso alcançou você nas mídias sociais, em um grupo de transmissão em um aplicativo de mensagens ou pelo e-mail. Mais do que o curso certo para você, a mensagem diz que o seu perfil foi avaliado e você está selecionado. Parece bom demais para ser verdade, né?

Em uma situação como essa, antes de comemorar, faça a dupla verificação. Se a mensagem vier de uma universidade no exterior, procure perfis de professores em mídias sociais e publicações deles no Google Scholar. Depois, faça uma ligação para um número de telefone e converse sobre a oportunidade para confirmar a veracidade da comunicação.

Se for um curso online de curta duração, pesquise no Google por referências. Se for uma instituição norte-americana, você pode consultar na lista oficial do país ou consultar bancos de cursos como o HC. Na dúvida, não avance para o passo seguinte.

2. Leia avaliações de estudantes

Os cursos de universidades ou centros de formação profissional normalmente têm espaço para avaliação dos alunos nos sites oficiais. O Google My Business pode conter avaliações sobre a instituição também.

Busque conversar com estudantes que cursaram antes de você. Outro lugar interessante para pesquisar a instituição de ensino é o Reclame Aqui, onde as pessoas registram queixas de relações de consumo. Caso haja suspeita de irregularidades, fique atento.

3. Fique atento para os dados solicitados no cadastro

Uma das estratégias dos golpistas é coletar dados pessoais e financeiros das vítimas para utilizá-los indevidamente em fraudes ou mesmo em compras não autorizadas.

Por isso, se você entende que a instituição existe e está bem avaliada pelos ex-alunos, certifique-se de que o cadastro solicita os dados mínimos necessários. Caso o primeiro cadastro peça número do cartão de crédito, data de validade e senha, por exemplo, desconfie.

4. Peça prazo para pagar a taxa de matrícula

Vamos supor que você avançou até a conclusão do cadastro relativamente tranquilo em relação aos dados fornecidos e confiante de que a instituição é real. Então, antes de concluir a sua inscrição, vem a surpresa: para confirmar a sua participação, a instituição requer um pagamento de taxa de matrícula ou de um material didático para envio postal.

E então, você se pergunta: afinal, não era um curso gratuito? Neste caso, peça maiores esclarecimentos sobre o valor, condições e meios de pagamento. Adie o pagamento da taxa o máximo possível e não opte por quitar todo o valor à vista. Caso o golpe se confirme, você poderá suspender as parcelas futuras e reduzir o prejuízo.

5. Acesse o site com frequência

Mesmo que o curso esteja marcado para meses mais tarde ou para o ano letivo seguinte, não descuide de manter contato.

Esteja atento para as movimentações de outros alunos, participe de fóruns e crie grupos de interessados em mídias sociais. Assim, caso seja detectada alguma atividade suspeita, você estará bem informado e poderá agir para se proteger.

Quer evitar fraudes e problemas futuros? Conheça o Serasa Premium

Com ele, você será alertado por e-mail e SMS sempre que houver uma movimentação no seu CPF e CNPJ como: novas consultas, protestos, ações judiciais, vazamento de dados na Dark Web e mudança em seu score e muito mais:

Função Lock&Unlock:
bloqueie e desbloqueie seu Serasa Score para consultas de terceiros. Isso pode ajudar você a evitar que golpistas peçam crédito em seu nome.

Relatórios: receba um resumo quinzenal e tenha acesso total ao seu histórico de dados.

Consultor VIP: atendimento exclusivo sempre que precisar de ajuda.