Entrar

Segurança da Informação: 5 dicas para proteger os seus dados

Entenda como aplicar o conceito de Segurança da Informação no seu dia a dia e proteger os seus dados pessoais, evitando golpes e fraudes na internet.

Foto Vanessa Conulista
Publicado em: 23 de março de 2022.

Segurança da Informação é um termo que cada vez mais surge no dia a dia das pessoas. Seja na imprensa, em notícias sobre vazamentos de dados e fraudes na internet ou mesmo no trabalho.

Esse novo conceito fica cada vez mais relevante em um momento em que toda a população está na internet. Redes sociais, aplicativos de mensagens ou de serviços como delivery e transporte, provedores de e-mail, portais de notícia, internet banking. São diversos os motivos pelos quais ficamos sempre conectados.

Mais do que estar online, de alguns anos para cá, as pessoas passaram a fazer mais transações online, realizando transferências entre contas, pagamentos e compras em e-commerce.

Com esse aumento da vida digital houve também um aumento na quantidade de dados pessoais que ficam na nuvem. Informações, muitas vezes sigilosas, que são disponibilizadas na internet.

É claro que quando inserimos nossos dados em algum site ou enviamos informações pela internet acreditamos estar em ambiente seguro. Mas, os dados mostram que nem sempre essas transações são confiáveis. Em 2021, houve um aumento de 16,8% nas transações suspeitas no Brasil, segundo dados da Serasa.

Por isso, é fundamental que todos entendam o que é Segurança da Informação e como aplicar isso na prática.

O que é Segurança da Informação?

O conceito de Segurança da Informação está relacionado às práticas aplicadas por empresas ou pessoas físicas para protegerem seus dados de vazamentos e fraudes.

Dentro de uma corporação essas práticas acabam se tornando políticas de segurança e processos que são elaborados para proteger os dados sensíveis dos negócios, como informações sigilosas sobre faturamento ou lucro, e para resguardar os dados dos clientes, evitando vazamentos.

Para isso, a área de Tecnologia da Informação (TI) das companhias utiliza diversas ferramentas que garantem a segurança dos dados.

Embora esse termo seja muito comum para pessoas jurídicas, é possível também utilizar mecanismos de segurança da informação no dia a dia de pessoas físicas.

Nesses casos o objetivo é proteger os dados pessoais, como endereço, telefone, número do CPF e outros documentos, dados bancários, informações de acesso a aplicativos, entre outros.

A ideia é a mesma que a de uma empresa: criar práticas e hábitos que protejam as informações sensíveis. Isso evita que pessoas mal-intencionadas tenham acesso indevido a dados que serão utilizados para aplicar golpes ou fraudes.

A Segurança da Informação está baseada em 5 pilares básicos:

Confidencialidade

Está relacionada à privacidade das informações e garante que só tenham acesso aos dados os indivíduos que tenham esse direito.

Integridade

É o que garante que as informações se mantenham as mesmas características mesmo quando manipuladas. Ou seja, que os dados não se percam.

Disponibilidade

Garante que os dados estejam disponíveis para aqueles que têm direito de usá-los.

Autenticidade

Esse conceito garante que a informação é autêntica e de fonte confiável e não sofreu alterações indevidas.

Legalidade

Esse pilar garante que os dados sejam utilizados de acordo com as leis aplicáveis.

O que diz a legislação

Nos últimos anos diversos países criaram suas próprias leis de proteção de dados para garantir para suas populações que haja regras para o armazenamento, manipulação e utilização dessas informações pelo mercado.

No Brasil não foi diferente, em agosto de 2021 entrou em vigência a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que regula todas as atividades relacionadas aos dados de usuários em empresas privadas e públicas.

O objetivo dessa lei é garantir segurança, privacidade e transparência para as pessoas físicas ao cederem dados para companhias. O principal ponto da LGPD é definir que as empresas só podem armazenar e utilizar os dados de seus clientes e usuários mediante uma autorização. Além de oferecer medidas de segurança e transparência sobre o tratamento dessas informações para os usuários.

Essa lei visa oferecer mais segurança para quem utiliza a internet para contratar serviços, fazer transações ou mesmo se comunicar. E oferece ao cidadão condições de cobrar das empresas o uso correto de seus dados.

5 práticas de Segurança da Informação para proteger os seus dados

Agora você já sabe um pouco como funciona a Segurança da Informação para empresas. Mas ainda assim, é importante ter um maior controle de acesso das suas informações e aplicar algumas práticas no dia a dia para reforçar essa segurança.

1. Utilize apenas o seu computador ou celular para acessar aplicativos de banco

Evite abrir aplicativos de banco ou internet banking em equipamentos do trabalho ou de outras pessoas. É importante ter certeza que o computador está protegido contra vírus que podem roubar seus dados.

2. Mantenha o antivírus sempre atualizado

Na mesma ideia do último ponto, é essencial utilizar um aplicativo confiável antivírus que identifique e exclua qualquer programa que possa pegar dados sensíveis da sua máquina.

3. Utilize senhas fortes

Sabemos que é difícil lembrar todas as senhas que utilizamos no dia a dia. Mas, ter códigos de acesso difíceis de desvendar e evitar a repetição dessas senhas pode oferecer muito mais segurança.

Uma outra forma de proteger as senhas é utilizar a autenticação de dois fatores. Isso impede que outras pessoas acessem aplicativos e sites apenas com a senha, pedindo uma segunda verificação.

4. Nunca compartilhe dados confidenciais por mensagens, e-mails ou telefone

Enviar senhas pessoais, número de cartão de crédito e outros dados sensíveis por mensagens pode ser um risco também. Isso porque mesmo quando a pessoa do outro lado é confiável, não é possível garantir que ela não terá o celular roubado ou o aplicativo invadido.

5. Desconfie de mensagens e sites desconhecidos

Caso você receba solicitações para enviar dados ou até valores de pessoas ou números desconhecidos, desconfie na hora. Esse tipo de golpe, como o do WhatsApp clonado é muito comum e costuma pegar pessoas que não estão atentas a sinais simples.

Também evite clicar em links que vieram de fontes que você não conhece. No caso de e-mails, sempre verifique o remetente, principalmente nos e-mails de banco. Vale também ficar atento ao uso do português, muitas vezes mensagens falsas tem erros pequenos que podem ser um ponto de atenção.

Aderir a todos esses hábitos pode te ajudar a ter mais segurança no dia a dia e não cair em fraudes ou golpes.

No entanto, nem sempre é possível escapar desse tipo de ação. Por isso, é importante também estar atento ao uso dos seus dados para conseguir tomar medidas rápidas caso algo venha a acontecer.

Uma forma de fazer isso é com o Serasa Premium, uma ferramenta que fazer o monitoramento do seu CPF e acompanha as transações envolvendo o seu nome. Assim quando algo parece suspeito você recebe um alerta para tomar as providências necessárias e evitar grandes prejuízos.