Entrar

Consumo consciente: você sabe o que isso significa?

Neste conteúdo, explicamos o que é consumo consciente e as melhores maneiras de aplicá-lo em seu dia a dia.

colunista Veridiana Lopes
Publicado em: 16 de dezembro de 2021.

O consumo consciente é um tema que vem ganhando força nos últimos anos, e não é à toa. O assunto é sério e merece ser cada vez mais discutido.

Segundo as projeções da companhia Global Footprint Network, se a humanidade mantiver o padrão de comportamento atual, serão necessários mais dois planetas como a Terra para dar conta de tanto consumo. E, por enquanto, essa possibilidade não existe, não é mesmo?

Com isso, fica clara a importância de incluirmos o consumo consciente no nosso dia a dia. Sabe aquela sua roupa favorita que já foi bem usada e, por isso, chegou o momento de se desfazer? Já pensou para onde ela vai quando você joga fora? Ao final deste conteúdo, esperamos que você consiga refletir sobre situações como essa.

Consumo consciente: o que é isso?

Basicamente, o consumo consciente é uma forma de consumir causando menor impacto ao ambiente e à saúde financeira, sem excessos ou desperdícios, para que haja o suficiente para todos para sempre.

· Meio ambiente

Ao fabricar um produto, uma empresa normalmente utiliza muitos recursos naturais, como a água, por exemplo.

Nesse sentido, o consumo consciente está relacionado a pensar em alternativas para reduzir e uso desses recursos e, consequentemente, seus impactos no meio ambiente. Responda com sinceridade: você tem se preocupado com essas questões no dia a dia? Se não, é hora de começar a pensar.

Uma atitude interessante é pesquisar mais a fundo como funcionam os processos de produção das marcas que você consome e se há práticas sustentáveis envolvidas. Se possível, priorize comprar de empresas engajadas nessa causa.

· Saúde financeira

Além do meio ambiente, a nossa saúde financeira pode ser muito prejudicada sem o consumo consciente. Do ponto de vista econômico, consumir de forma consciente tem a ver com avaliar suas reais condições financeiras antes de fazer uma compra e refletir, antes de levar qualquer item para casa, se você realmente precisa dele.

Quando o ciclo de compra acontece de maneira equilibrada, isso é muito positivo para o desenvolvimento econômico da região. O problema acontece quando o equilíbrio é quebrado: um consumo desenfreado gera uma demanda de produção fora do padrão também. Isso significa consumir mais matéria-prima da natureza, energia elétrica e água, e uma maior geração de lixo e poluição. Mas a boa notícia é que é possível melhorar esse cenário comprando com mais consciência.

Como praticar o consumo consciente?

Algumas atitudes simples podem ajudar você a incluir o consumo consciente na rotina. Veja só:

1 – Pense bem antes de comprar

Você provavelmente já comprou algo apenas porque “estava com uma superpromoção” ou “estava muito barato”, né? E depois, bate aquele arrependimento de ter gastado o dinheiro com uma coisa que nem vai usar. Que atire a primeira pedra quem nunca fez isso!

Mas vamos começar a mudar isso. A partir de agora, todas as suas compras devem ser muito bem pensadas. Antes de levar qualquer coisa para casa, pense o seguinte:

  • Já tenho algo parecido ou que faz a mesma função em casa?

  • Eu realmente preciso disso agora? Se sim, qual é a melhor forma de fazer essa compra?

  • Eu compraria isso mesmo que não estivesse em promoção?

  • Eu deveria comprar esse item, olhando para minha situação financeira atual?

  • É algo que eu realmente quero?

  • Qual é a durabilidade deste produto?

Essas perguntas são muito estratégicas para começar a treinar o hábito de controlar as compras por impulso.

Mas tome cuidado com os extremos! A ideia não é parar totalmente o consumo e nem fazer isso de maneira exagerada. Busque o equilíbrio, comprando apenas o que é necessário ou realmente importante para você.

2 – Dê preferência para empresas locais

Além de incentivar o desenvolvimento econômico da sua região, comprar de um pequeno empreendedor é uma forma de apoiar uma produção mais equilibrada. O produtor local não tem a mesma força de produção desenfreada que uma grande empresa possui.

De maneira prática, isso significa tomar café na padaria mais próxima, comprar das lojas que estão perto da sua casa, ir à feira do bairro entre outros. São atitudes bem simples, mas que geram um impacto enorme na sua comunidade e no planeta.

3 – Recicle o seu lixo

Reciclar é reaproveitar materiais usados e transformá-los em matéria-prima novamente. Para fazer isso, basta reutilizar os itens ou descartar os produtos recicláveis de maneira correta.

Crie esse hábito dentro da sua casa. Alguns bairros e condomínios possuem o serviço de coleta seletiva, mas nem sempre é o caso. Você também pode ir até um posto de reciclagem, se puder.

Separe em duas lixeiras diferentes:

  • Materiais não-recicláveis: pilhas, baterias, lâmpadas, garrafas pet com óleo de cozinha, papéis sujos, fotografias, guardanapos, grampos, filtros de cigarro etc. São todos os materiais que não podem ser reaproveitados ou limpos.

  • Materiais recicláveis: plásticos, vidros, metais e papéis. Lave e seque sempre as embalagens antes de descartá-las e lembre-se de enrolar todos os materiais cortantes em um jornal para evitar acidentes.

Não se esqueça de fazer o mesmo quando estiver na rua: jogue o lixo nos locais apropriados ou espere para descarta-lo quando chegar em casa.

4 – Doe ou venda o que não usa mais

Já parou para pensar no que acontece quando algo é jogado no lixo?

Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, relatório criado pela Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), em 2020 foram geradas 79.6 milhões de toneladas de resíduos no país. Deste total, apenas 13% vão para a reciclagem.

O mesmo relatório prevê que, até 2050, o Brasil deve aumentar a geração de lixo em 50%.

No caso de roupas, por exemplo, a reciclagem praticamente não é feita no Brasil por ser um processo muito complexo. Uma solução para minimizar um impacto é vender o que está em bom estado para brechós ou doar esses itens para alguma instituição de caridade, por exemplo.

Antes de jogar alguma coisa fora, pense em como ela pode ser reutilizada. Mesmo aquele seu aparelho eletrônico que não liga mais pode ter as peças reaproveitadas por alguma loja, por exemplo. Vale a pena fazer um esforcinho e buscar alternativas antes de jogar no lixo. O mesmo pode ser feito com itens de decoração, livros, sapatos e muito mais.

5 – Espalhe o assunto

Explique para a sua família e amigos o que aprendeu sobre o consumo consciente, para que eles também repensem os seus hábitos. Fale sobre os dados, as mudanças que fez no seu dia a dia e como isso impactou a sua vida positivamente.

Além de ajudar o planeta, você com certeza verá diferença nas suas finanças pessoais. Quando pensamos melhor sobre nossas compras e prioridades, a economia vem como consequência. Você consegue aliar um estilo de vida que é benéfico para a sociedade e ainda ter mais qualidade de vida. Compartilhe isso com eles também!

Para que a mudança realmente aconteça, é essencial que mais pessoas aprendam a consumir sem exageros. Não tenha medo de ser um agente transformador.

Gostou deste assunto? Não esqueça de compartilhar com os amigos e continuar acompanhando o blog da Serasa para conferir mais conteúdos de educação financeira e consumo consciente.