Entrar

Compras por impulso: como evitar esse hábito?

Compras por impulso causam sérios prejuízos financeiros. Entenda o que são, como evitá-las e quais as vantagens de controlar seus gastos.

Foto elaine ortiz
Publicado em: 15 de dezembro de 2021.

Fazer compras por impulso é um problema que atinge muitas pessoas no mundo inteiro. No Brasil, segundo um estudo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, 44% das compras realizadas pela internet são feitas por impulso.

Você já comprou algo que não precisava só porque estava na promoção ou porque considerou que você merecia, já que estava muito triste, estressado ou sobrecarregado? Se respondeu que sim, você faz parte do grupo de pessoas que já compraram pelo menos uma vez um produto ou adquiriram um serviço por impulso.

O principal problema é essa compulsão se tornar hábito. Se isso acontecer, suas finanças correm um sério risco de ficarem totalmente descontroladas – o que leva ao endividamento, à inadimplência, joga seu score lá para baixo e afasta você cada vez mais de alcançar a tão sonhada independência financeira.

Além disso, a compra por impulso geralmente esconde problemas maiores, como questões emocionais, por exemplo. Quer saber mais sobre compras por impulso? Entender o que é, como evitar e quais as vantagens de controlar os gastos? Continue a leitura.

Compras por impulso: como saber se tenho este hábito?

Vamos aos fatos: a felicidade não está nas caixas que você recebe em casa ou na quantidade de sacolas que você carrega no shopping. Segundo especialistas, a compra por impulso está invariavelmente ligada à necessidade de satisfazer momentaneamente um desejo, muitas vezes para acobertar uma frustração.

Neste estado, as pessoas deixam de ser racionais e agem apenas pela emoção. Quando isso acontece, não consideram o valor do produto adquirido, nem se as parcelas cabem no bolso, nem o quanto as finanças serão impactadas por aquela compra: a pessoa apenas compra e sente praticamente um alívio após passar o cartão de crédito, seguido, muitas vezes, de frustração, quando bate a sensação de que comprar não resolveu o problema e ainda, talvez, tenha criado outro.

Para saber se as compras por impulso fazem parte da sua vida é necessário analisar:

  • Qual seu sentimento após a compra? Você sente culpa, arrepende-se ou fica em dúvida se deveria ter efetuado a compra? Sente tristeza e decepção? Ou você fica tranquilo porque sabe que adquiriu algo que realmente precisava, de forma consciente, após pesquisar e sabendo que aquilo não irá atrapalhar seu orçamento?

  • Quando você se depara com uma promoção, como você se sente? Pensa que não pode perder aquela oportunidade e compra imediatamente, sem pensar? Ou avalia se realmente é importante concretizar esta compra naquele momento?

  • Como é sua fatura do cartão de crédito? Com muitas parcelas de muitas compras? Com valor alto comprometido antes do fechamento da próxima conta? Você paga o valor total da fatura?

Perceba que descobrir se as compras por impulso fazem parte da sua vida é um processo pessoal, de autoanálise. E se você está lendo este texto porque pesquisou sobre o assunto, você provavelmente já está dando o primeiro passo para eliminar este comportamento da sua vida.

Leia também | 7 dicas práticas para quem precisa cortar gastos

Afinal, o que é compra por impulso?

Por definição, compra por impulso é toda a aquisição feita sem pesquisa e sem planejamento, motivada, na maioria das vezes, por desejos momentâneos e sem necessidade, sem considerar as consequências futuras dessas compras. Em resumo, é a decisão não planejada de comprar algo, pensando somente no bem-estar a curto prazo.

Mas, mais do que saber o que é a compra por impulso é entender o que está por trás das compras por impulso. Oniomania é o nome dado pelos especialistas ao impulso incontrolável e constante de adquirir produtos. É como se fosse maior do que elas a vontade de sempre comprar algo novo. Este comportamento, nos dias de hoje, é muito incentivado pela internet, já que com apenas um clique você consegue realizar compras sem nem precisar sair de casa.

E mais: nas redes sociais que utilizamos todos os dias (muitas horas por dia), somos também expostos a propagandas o tempo inteiro. Se fizermos uma pesquisa de um tênis, por exemplo, e não fecharmos a compra, este mesmo tênis que você já estava interessado ficará aparecendo na sua tela por muitos dias. Até aí, ok, você pesquisou e não comprou na hora, então a compra não foi por impulso neste caso. Mas o fato é que o consumismo é incentivado 24 horas por dia na internet.

Além disso, tem também a atuação dos influencers, das páginas de promoções, dos perfis das marcas. Sempre oferecendo produtos que podem “te ajudar” em alguma coisa. O ambiente online é realmente muito tentador para quem gosta de fazer compras e já tem tendência a comprar por impulso. É importante ficar atento a isso.

Leia também | Compras pela Internet: 7 cuidados para evitar problemas

Comprar por impulso: como evitar?

As consequências das compras por impulso costumam ser muito negativas. Além de desequilibrar as finanças pessoais fortemente, podendo levar ao endividamento, à inadimplência, à negativação, à perda de crédito no mercado, causam, também, inúmeros problemas para a família. Muitos casais, por exemplo, enfrentam crises justamente por conta dos hábitos de consumo dos parceiros e, muitas vezes, o relacionamento até chega ao fim somente pela questão financeira.

Se você quer saber como evitar comprar por impulso, para que seja possível manter a vida financeira controlada e equilibrada, seguindo um bom planejamento, separamos 7 dicas que podem te ajudar neste processo. Confira:

1. Faça um planejamento financeiro e controle seus gastos mensais

Se você ainda não tem o hábito de controlar sua vida financeira, agora é a hora de começar. Afinal, se quer deixar de comprar por impulso precisa conseguir enxergar suas finanças de maneira clara e objetiva.

Uma boa estratégia é baixar uma planilha de organização financeira. Nesta planilha, você deve lançar todas suas receitas e despesas, quanto quer poupar por mês e pode até mesmo lançar quanto quer gastar mensalmente com produtos não essenciais. Estabelecendo um limite, fica mais fácil não comprar por impulso, afinal, você tem um teto de gastos que deve respeitar.

A planilha também ajuda porque ao se deparar com suas finanças detalhadas na tela você consegue pensar melhor antes de efetuar qualquer compra.

Leia também | Planejamento financeiro é ponto pra você

2. Tenha calma, espere e pense antes de comprar

Os apelos surgem o dia todo, mas cabe a você saber dizer não a cada um deles. Surgiu a vontade de realizar uma compra neste momento? O anunciante disse que a promoção vai acabar nas próximas horas? Que a quantidade de vagas para aquele curso é limitada? Que você não pode perder essa oportunidade única? Acenda o alerta!

E lembre-se que não há motivos para se desesperar e sair comprando rapidamente. O mais aconselhável é parar e pensar, esperar alguns dias ou semanas, pesquisar preços, verificar se aquela compra cabe no seu orçamento, se é realmente necessária. Se após este respiro você considerar que sim, a necessidade de comprar aquele produto é real, considere fazer a compra. Se a vontade apenas passar, saiba que você acabou de evitar mais uma compra por impulso.

3. Se estiver com o emocional abalado, evite fazer compras

Está triste, cansado, chateado, eufórico, enfim, fora do seu padrão de estabilidade emocional? Evite fazer compras. Sempre que você estiver em um estado psicológico alterado, passe longe do shopping center e das lojas de compras online.

Isso porque é muito comum fazer compras por impulso para tentar mudar seu estado emocional: de triste para alegre, de cansado para satisfeito, de feliz para mais feliz ainda. Ou seja, as compras, muitas vezes, servem como consolo, compensação ou merecimento. Mas no fim das contas, depois que a compra é efetivada, a tristeza ainda está lá, o cansaço não foi embora e você tem um produto, uma conta para pagar e uma questão emocional para resolver.

4. Identifique seus gatilhos e deixe de seguir perfis de promoções nas redes sociais

Para muita gente, perder uma promoção é algo inadmissível. A sensação de que deixou de ter vantagem porque “perdeu” bons preços pode ser massacrante para quem acha que está economizando (eis um gatilho).

A verdade é que na tentativa de fazer bons negócios a pessoa cria praticamente um vício em compras. “Mas estava em promoção”, “conheço o produto e realmente estava muito barato”. Ok, mas a questão é: você precisa deste produto agora? Todos os dias novos produtos que você também conhece entrarão em promoção. Você vai comprar todos? Como suas finanças vão ficar com este comportamento? E o problema maior está no vício em realizar essas compras diariamente.

Identificar seus gatilhos significa avaliar o que te motiva comprar. Como citamos, para alguns, promoção é o gatilho. Para outros, uma categoria de produto específica é o gatilho. Entenda o que é praticamente irresistível para você e fique atento. Se você ama sapatos, da próxima vez que for comprar sapatos, pergunte a si mesmo: eu realmente preciso? Já não tenho um modelo parecido? Por que quero comprar este sapato?

5. Mantenha o cartão de crédito “fora de seu alcance”, não salve os dados nas lojas online e analise sua fatura mensalmente

Você está deitado na sua cama depois de um dia cansativo. Pegou o celular para relaxar e uma promoção pulou nos seus olhos. Se seu cartão de crédito estiver ali, junto do celular, a chance de você finalizar uma compra sem refletir muito (afinal, já está cansado) é bem grande. Se os dados do seu cartão estiverem salvos na loja online então, já com todas as informações e até mesmo com o código verificador, também é bem provável que você clique no botãozinho “comprar”.

Manter o cartão longe de você, esquecê-lo em casa quando sair ou não deixar os dados salvos nas lojas online que mais gosta são ótimas estratégias para minimizar as compras por impulso.

Acompanhar sua fatura e analisá-la todos os meses ajuda também a perceber seus hábitos de consumo e a frear os gastos. Se você não tem este hábito, tente inseri-lo em sua vida.

Leia também | Fatura do cartão de crédito: como controlar os gastos?

6. Sonhe grande e mantenha o foco neste objetivo

“Quero comprar um carro, mas não paro de adquirir produtos todos os dias e minha fatura do cartão vem alta todos os meses”. Se este é o seu caso, acredite, as chances de você realizar seu grande objetivo diminuem a cada “finalizar compra” que você aperta.

Tenha claro seu objetivo, coloque lembretes dele à sua vista: foto na geladeira, fundo do celular, quadro na mesa de trabalho. Não se esqueça de que você é capaz de realizar seu sonho, mas que você precisa abrir mão do consumo impulsivo para isso.

7. Só compre depois de refletir, pesquisar e analisar a necessidade e os benefícios da compra

Pesquise, pesquise, pesquise. Pense, análise, reflita. Não tenha pressa para comprar, não acredite nos apelos comerciais. Pense em você e na sua necessidade particular. “Eu preciso deste produto?” “Por que?” “No que ele vai me ajudar?” “É vontade ou é necessidade?”.

Se você sempre refletir antes de fazer suas comprar, você com certeza conseguirá evitar muitas compras por impulso.

Leia também | Conheça 6 opções de aplicativo para controle financeiro

Comprei por impulso e me arrependi. O que fazer?

O arrependimento é algo bem comum entre as pessoas que fazem compras por impulso. Por isso, é importante saber que todo consumidor tem direito de se arrepender da compra de um produto ou da contratação de um serviço feito pela internet, telefone, catálogo, reembolso postal ou vendedor na porta de casa, isto é, fora da loja ou escritório comercial. É direito estabelecido no Código de Defesa do Consumidor. O prazo é de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço.

Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento previsto no artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor, os valores eventualmente pagos serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados.

Caso a pessoa queira exercer seu direito de arrependimento, a lei não exige que o comprador explique por que desistiu da compra, e o vendedor não tem outra opção que não seja a devolução do valor pago.

Muitos estabelecimentos comerciais, contrariando a lei, exigem, para efetuar a desistência, que o produto esteja lacrado ou na embalagem, mas não é isso que diz o CDC, que garante que o direito à desistência da compra ocorre sobre o produto e não sobre a embalagem ou caixa.

Quanto à desistência de compras realizadas na própria loja ou estabelecimento comercial, não há disposição legal que regule essa situação ou obrigue o vendedor a efetivar a devolução, salvo se o produto apresentar defeitos ou danos.

Vantagens de evitar fazer compras por impulso

As vantagens de não comprar por impulso são muitas. Primeiro, que você passa a consumir de forma consciente, somente o necessário. Depois, porque você começa a ver que seu dinheiro está “rendendo” mais, que seu cartão de crédito não está comprometendo grande parte do seu salário e que você está em dia com todas as suas contas, com seu nome limpo e seu score no verde.

É muito satisfatório saber que você tem o controle da sua vida financeira, que você comanda suas escolhas, que você define o que compra e o que não compra e a hora em que vai adquirir um produto ou serviço.

Agora que você já conhece os problemas das compras por impulso e entendeu a importância de consumir conscientemente, planejando e refletindo antes de cada compra, você pode aproveitar para ler outros conteúdos sobre educação financeira no blog da Serasa. Clique aqui e não perca nenhuma novidade.

Se quiser, você pode também consultar seu score e descobrir como aumentar sua pontuação de crédito.