Entrar

CPF clonado: como resolver e o que fazer para evitar?

Confira os riscos de se ter documentos clonados e como pequenas mudanças no dia a dia podem te deixar mais seguro

Foto Vanessa Conulista
Publicado em: 21 de março de 2022.

Ter documentos clonados é a dor de cabeça de muita gente. Com a facilidade de encontrar dados pessoais expostos na internet, muitas pessoas procuram a justiça para solucionar casos como este.

Afinal, imagina o estrago que pode ser feito com outra pessoa usando números do seu CPF, RG ou até passaporte.

Para se ter uma ideia, uma pesquisa feita pela Serasa indicou que, em 2021, um brasileiro sofreu uma tentativa de fraude a cada oito segundos.

O documento com maior índice de clonagem é o CPF. Isso porque trata-se de um número falado com alguma facilidade em diversas oportunidades. O número do documento é dito ao fazer uma compra na farmácia para ter mais desconto e também para adquirir um produto na Internet, por exemplo.

E as consequências de ter um documento clonado podem ser das mais diversas e graves, como ter um celular e carro comprados em seu nome, ou até uma conta em banco com emissão de cartão de crédito. Isso tudo feito por criminosos usando seu nome.

É exatamente por isso que, neste texto, o objetivo é te mostrar como resolver o problema de documento clonado de forma rápida e eficaz, além de dar algumas dicas de como se proteger dos criminosos que praticam esse tipo de crime.

O que são documentos clonados?

Mas antes de tudo, vale uma breve explicação sobre o que um documento clonado. A clonagem é feita por meio da digitalização do documento em que se pretende clonar. A partir daí, ele sofre pequenas alterações com um programa de edição de imagem.

Dessa forma, os fraudadores usam seus dados e incluem informações que são necessárias para que o golpe não seja comprovado.

Após isso, o criminoso usa seu documento como se fosse dele para aplicar golpes ou fazer aquisições em seu nome, no qual ele não pretende pagar. Isso pode sujar seu nome no mercado.

Onde você pode ser clonado?

  • Na gráfica, ao tirar uma cópia do documento;

  • No aeroporto, pessoas podem se passar por funcionários e pedir para verificar seu documento;

  • Ao baixar um aplicativo no celular;

  • Ao realizar cadastros em sites falsos.

  • Basicamente, se você não cuidar bem do seu documento e estar sempre de olho caso precise entregá-lo a alguém, pode estar sujeito a sofrer uma fraude.

O que fazer se meu CPF foi clonado?

A primeira coisa que você precisa saber ao perceber que seu documento foi fraudado é fazer um boletim de ocorrência para provar que que o documento não está sendo usado apenas por você e que foi vítima de uma fraude.

Confira o passo a passo de tudo que é preciso fazer para se livrar de problemas maiores caso seja vítima de documentos clonados.

  • Vá até a delegacia mais próxima e faça um B.O. (boletim de ocorrência);

  • Em suspeita ou confirmação de uso indevido do documento, junte comprovantes para provar que não era você a usar o documento em determinada situação;

  • Faça um alerta de documentos roubados, furtados ou perdidos.

5 dicas para se proteger da clonagem de documentos

É importante não esquecer que espaços físicos não são os únicos lugares onde seus documentos podem ser clonados. A internet também é um ambiente bem propício para isso acontecer.

Sendo assim, confira algumas dicas para você manter seus documentos protegidos e se sentir mais seguro.

1. Cuidado ao entregar seus documentos a alguém

Quando precisar entregar seus documentos ou cartões em alguma loja ou estabelecimentos, faça o possível para que você consiga visualizar cada passo que as pessoas derem com eles.

É claro que esta dica não quer dizer que deve desconfiar de todo mundo. Porém, é nesse momento que criminosos aproveitam para clonar o seu CPF e cartão de crédito.

2. Prefira cópias em vez de original

Outra dica é não andar com muitos documentos originais, prefira ter cópias da identidade e CPF, por exemplo.

Cuidado também com documentos em aplicativos de celular, pois caso o aparelho seja roubado, o prejuízo pode ser ainda maior.

3. Cuidado com compras pela internet

Para quem costuma fazer compras pela internet, o risco pode ser ainda maior caso não se proteja.

É importante estar atento em alguns pontos na hora de realizar cadastro em sites de e-commerce.

  • Opte por lojas conhecidas, com a verificação de segurança.

  • Use o cartão virtual do seu banco

  • Evite usar rede pública quando for fazer compra

4. Evite passar seus dados por telefone

Essa dica é para quando você recebe telefonemas de pessoas que se dizem ser do banco ou do governo e pede dados do seu documento.

Há uma grande chance de ser um fraudador querendo seus dados. Está na dúvida se o telefonema é seguro? Desligue e ligue novamente para o número que você já tem da instituição financeira ou de qualquer outra empresa.

5. Cuidado com seu e-mail

Se receber qualquer e-mail solicitando informações ou documentos pessoais, cuidado em abrir ou clicar. Normalmente, esses emails partem de criminosos com vírus para captar, além de dados, outras informações do seu computador.

Por isso, não abra e-mails de destinatários desconhecidos e sempre desconfie de links.

Uma dica extra para você é utilizar o Serasa Antifraude. Este serviço te ajuda a monitorar seu CPF e Score 24h por dia, além de monitorar seus documentos na Dark Web. Assim, você pode tomar as devidas providências e evitar maiores dores de cabeça.

No Serasa Premium, você pode monitorar até 5 contas de e-mail, até três números de celular e um passaporte. Aproveite e faça seu cadastro agora mesmo e comece já sua proteção.