Entrar

Estudo indica fragilidades de proteção de dados nas empresas

A aceleração da adoção do modelo home office e de serviços digitais variados no Brasil e no mundo impõe desafios importantes para as empresas. A proteção de dados pessoais e privacidade dos clientes torna a oferta de serviços e produtos dependente de um ambiente dotado de infraestrutura robusta de segurança digital. Com o avanço dos cibercrimes e das exigências da legislação de proteção dos dados, as empresas têm enfrentado realidades complexas.

O Índice Global de Proteção dos Dados desenvolvido anualmente pela Dell aponta que a ampla adoção do trabalho em casa aumentou os riscos cibernéticos para as principais organizações. O levantamento entrevistou mil profissionais responsáveis pelas decisões de TI em empresas com mais de 250 funcionários em 15 países. A maioria (58%) deles se mostrou preocupada ao afirmar não estar confiante em relação ao serviço de backup e recuperação de dados na organização e temer um ataque cibernético iminente nos próximos 12 meses (64%).

No recorte dos entrevistados brasileiros, 78% admitem que as soluções atuais para a proteção de dados existentes não serão suficientes para vencer os desafios futuros. Há ainda um temor pela crescente produção de dados para armazenagem em nuvem, em volumes exponenciais. Os brasileiros (72%) estão preocupados com ataques de malware e ransomware, bastante usuais em ataques cibernéticos contra empresas no país.

Apesar de ser uma evolução natural do ambiente digital, a adoção de tecnologias emergentes como aplicativos em nuvens, inteligência artificial e machine learning amplia os riscos associados. Nesse sentido, a pesquisa conclui que os investimentos em tecnologias emergentes devem ser incentivados, mas as organizações precisam garantir que a infraestrutura de proteção de dados ofereça suporte adequado.

Entenda como ampliar a proteção dos seus dados pessoais

O consumidor tem confiado cada vez mais na prestação de serviços online em diversos segmentos. A possibilidade de operacionalizar atividades de compra e venda e prestação de serviço de forma mais prática e rápida tem seduzido as pessoas, mas a sensação de insegurança também é uma realidade. As notícias de ataques a bases de dados de grandes organizações têm sido recorrentes no Brasil e no mundo. Ao consumidor cabe também um papel no sistema de proteção de dados: o de cuidar das próprias informações. Os princípios previstos na própria lei de proteção dos dados brasileira devem ser observados por cada indivíduo no ambiente digital. Pelo menos três elementos são fundamentais de ter em mente.

Seus dados, suas regras: esteja atento

O compartilhamento de informações pessoais é inevitável para diversas prestações de serviço. Quando manipulado no ambiente digital, os dados ficam armazenados em bases de dados sob a guarda e responsabilidade do operador do serviço prestado. Essa dinâmica é regulada pela lei geral de proteção dos dados (LGPD). Porém, como o indicador apontou não há um ambiente totalmente seguro e imune de vazamentos, por isso economize na quantidade e extensão das informações. O consumidor pode decidir preencher o mínimo necessário de informações no cadastro para a finalidade que deseja. Esteja atento para discernir entre os campos solicitados em formulários quais são imprescindíveis para o serviço. Seus dados, suas regras!

Lobo em pele de cordeiro: desconfie de vantagens excessivas

A propaganda enganosa e a tática de engenharia social têm sido aplicadas pelos cibercriminosos com frequência. Se entregar os dados a organizações confiáveis é um risco, imagina a ameaça de compartilhar informações pessoais com falsos atendentes ou em sites fraudulentos. Normalmente os criminosos fazem uma abordagem muito mais vantajosa do que a concorrência, trazem um apelo de urgência e são insistentes. Desconfie da esmola muita porque você pode estar em contato com um lobo em pele de cordeiro. Na dúvida, faça pesquisa comparativa entre prestadores de serviço e consulte serviços como Reclame Aqui e Consumidor.gov.

Seguro morreu de velho: renove senhas e outras credenciais

Se não é possível controlar ataques a organizações e nem ter certeza se aquele clique ou cadastro preenchido no impulso é confiável, o jeito é adotar uma rotina preventiva. As boas práticas de segurança incluem a troca regular de senhas, a adoção de senhas fortes (mescla de números, letras e símbolos), a revisão e exclusão de contas em serviços raramente utilizados, a ativação de autenticação de dois fatores entre outras formas preventivas.

O monitoramento da movimentação do CPF também é importante para evitar surpresas desagradáveis. O serviço pode ser acessado gratuitamente pela Serasa neste link. Mas o Serasa Premium oferece ainda mais segurança para você não só monitorar o CPF, mas também receber alertas de pesquisa no seu nome, no seu Score e ainda a notificação de localização de informações suas na deep web.

Quer evitar fraudes e problemas futuros? Conheça o Serasa Premium

Com ele, você será alertado por e-mail e SMS sempre que houver uma movimentação no seu CPF e CNPJ como: novas consultas, protestos, ações judiciais, vazamento de dados na Dark Web e mudança em seu score e muito mais:

Função Lock&Unlock: bloqueie e desbloqueie seu Serasa Score para consultas de terceiros. Isso pode ajudar você a evitar que golpistas peçam crédito em seu nome.

Relatórios: receba um resumo quinzenal e tenha acesso total ao seu histórico de dados.

Consultor VIP: atendimento exclusivo sempre que precisar de ajuda.