Entrar

Fundos DI: o que são e como podem melhorar seus investimentos?

Entenda o que são os fundos DI, um dos melhores investimentos para quem quer sair da poupança com segurança e facilidade.

colunista Veridiana Lopes
Publicado em: 14 de fevereiro de 2022.

Está procurando uma nova opção de investimento e não sabe por onde começar? Neste artigo, vamos te contar um pouco mais sobre os fundos DI e mostrar como eles podem ser interessantes para a sua carteira de investimentos.

No mercado existem várias opções de investimentos, desde os mais arriscados até os mais seguros. Cada um deles traz o resultado esperado de acordo com o seu planejamento financeiro pessoal e perfil de investidor. Com o Fundo DI não é diferente.

Leia também | Planejamento financeiro pessoal: descubra o que é e como fazer um

Ele também é conhecido como fundo de renda fixa referenciado DI e representa uma modalidade simples de investimento. Por ser de fácil aplicação, é uma ótima opção se você está começando a se familiarizar com investimentos.

Fundos DI: o que é isso?

Ao comprar cotas de um fundo de investimento, você conta com um administrador que toma conta daquele investimento para você, como se fosse um zelador em um prédio. Logo, você tem um gestor que gerencia o seu dinheiro, comprando e vendendo ativos dentro do mercado financeiro. O objetivo é sempre aumentar os lucros para garantir que você tenha ganhos positivos, mantendo seu saldo no azul.

Logo, para saber se essa é uma das melhores opções para você, é importante entender a composição desse ativo e comparar com outras opções do mercado para garantir que você esteja fazendo a melhor escolha para o seu patrimônio.

Como saber se um fundo DI é o melhor investimento para mim?

Antes de olhar as características desse ativo, é importante entender o seu perfil como investidor.

Esse perfil é o resultado de uma análise das suas características, objetivos e metas em relação aos investimentos, assim como os riscos que você está disposto a assumir ao colocar o seu dinheiro em um ativo.

Com tudo isso entendido, você pode escolher o ativo que combina melhor com o que você deseja conquistar a curto, médio e longo prazo. Para te ajudar nessa escolha, eu vou te explicar algumas características desse ativo, que tem seus prós e contras.

Começando pelas vantagens, os fundos DI se destacam por alguns motivos, como:

Baixos riscos

No caso do fundo DI, o objetivo é oferecer uma rentabilidade que segue o CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Uma das principais vantagens é o baixo risco que esse investimento oferece para a sua carteira, ou seja, você tem muito mais segurança ao fazer o aporte de dinheiro nesse ativo. Isso se dá também por terem grande parte do investimento de DI feitos em títulos públicos, o que geralmente apresenta os menores riscos.

Liquidez diária

Por sua liquidez diária, os Fundos DI podem ser uma ótima aposta para você que deseja criar uma reserva financeira. Se você também precisa do dinheiro no curto prazo para aplicar em outros investimentos ou mesmo quitar contas, esse pode ser um dos benefícios que mais te atrairá.

Ele é indicado para a sua reserva de emergência porque também supera a rentabilidade oferecida na poupança.

Leia também | Reserva de emergência: como fazer a sua e se preparar para imprevistos?

Você pode começar com pouco dinheiro

Para a maioria dos ativos que compõem o fundo, o investimento inicial não precisa ser de alto valor financeiro. Por isso, se você tem pouco dinheiro para começar, busque opções que estão de acordo com as suas possibilidades. É possível encontrar alternativas com o valor inicial de até R$ 100.

Desvantagens dos Fundos DI

Mas, como todos os investimentos do mercado, os fundos também têm suas desvantagens, que podem ou não estar alinhadas com o seu perfil de investidor.

Esses pontos são a tributação, taxa de administração e falta de garantia do FGC, que podem assustar alguns dos investidores.

Tributação

Assim como a maioria dos investimentos, os fundos DI são tributados pelo Governo. A cobrança de imposto de renda segue a tabela regressiva e é aplicada sempre de acordo com o seu lucro. Ou seja: se você investiu R$ 100 que se transformaram em R$ 110, o IR incide apenas em cima dos R$ 10 de lucro.

No caso dos outros investimentos no mercado, essa cobrança é feita apenas no momento do resgate do seu dinheiro. Já para os fundos, isso é feito automaticamente de maneira semestral através do come-cotas, que funciona como um adiantamento do pagamento do imposto.

Taxa de administração

Como já mencionamos, os fundos de investimentos são um agrupamento de ativos geridos por um administrador, que te ajuda a acessar opções mais complexas e com maior potencial de rentabilidade.

Por conta dessa terceirização, é necessário realizar um pagamento pelo trabalho de gestão do administrador do fundo. O valor da taxa de administração incide sobre o valor total investido, incluindo capital + rendimentos.

Para ativos de renda fixa, a taxa de administração começa a partir de 0,2%, podendo chegar a 3% ao ano. Essa cobrança pode parecer complicada à primeira vista, mas ele existe justamente para facilitar a sua vida investindo. No caso dos fundos DI, o ideal é encontrar opções em que essa taxa é zerada.

Fundo Garantidor de Crédito

Se tem uma coisa que consola o coração de quase todos os investidores é a garantia de que, se tudo der errado, eles têm a chance de garantir a maior parte do seu dinheiro de volta. Isso só existe por causa do FGC, um “seguro” que garante a devolução do seu dinheiro em caso de falência da instituição financeira, por exemplo, o que dá mais confiança para investir.

Mas essa é uma garantia que não existe nos fundos DI, o que se torna até uma objeção para quem deseja apostar nessa modalidade de investimento.

Em resumo, os fundos DI podem ser uma ótima alternativa para você que deseja um investimento acessível, de baixo risco e com liquidez diária. Isso pode te trazer mais

estabilidade e resultados a curto prazo, garantindo que você melhore a sua saúde financeira e que a sua aplicação ganhe da poupança e você não perca poder de compra ao longo do tempo.

Leia também | O que rende mais que a poupança? Conheça opções de investimentos

Gostou deste artigo? Não deixe de compartilhar o link com uma pessoa que precisa saber mais sobre o mundo dos investimentos. E, para conferir mais conteúdos exclusivos de educação financeira, acesse o blog da Serasa.