Você sabe como calcular o décimo terceiro? Para os trabalhadores assalariados, o fim do ano é um período muito esperado, justamente por conta desse “salário extra” que cai na conta. O problema é que muita gente não consegue estimar o quanto vai receber e precisa esperar que o RH disponibilize o holerite para começar a se programar.

Diversos sites e aplicativos fazem esse cálculo de maneira automática, mas nem sempre trazem o valor exato. Por isso, preparamos esse conteúdo para te ajudar a fazer as contas, entender como funciona o décimo terceiro salário e até definir a melhor forma de gastar esse dinheiro. Confira.

Afinal, o que é décimo terceiro?

O décimo terceiro salário, ou gratificação natalina, era uma prática comum nas empresas mesmo antes de se tornar obrigatória. No fim do ano, as companhias ofereciam esse valor para bonificar somente alguns colaboradores. No entanto, o pagamento para todos os funcionários passou a ser obrigatório e regido pela Lei 4.090, de 13/07/1962.

O benefício é um direito de todo profissional com carteira assinada ou aposentado, que recebe o pagamento pelo INSS. Ao completar 15 dias de trabalho, o trabalhador já tem direito ao décimo terceiro proporcional.

Geralmente, o valor é pago no mês de dezembro, mas as empresas podem parcelar o pagamento em duas vezes, em alguns períodos a partir de fevereiro.

Para os casos de colaboradores que não trabalharam o “ano cheio”, há diferenciais na regra:

1. Caso tenha trabalhado parte do ano, receberá o 13º proporcional por parte da empresa e o restante é pago pelo INSS;
2. Se ficar afastado o ano todo, o INSS é o responsável pelo repasse integral do valor.

Para que o pagamento não pese tanto no final do ano, muitas empresas optam por adiantar a primeira parcela aos funcionários. Com isso, surgem diversas dúvidas sobre como calcular o décimo terceiro e o quanto cada um receberá em cada parcela.

Conforme o parágrafo 3º da Lei nº 9.011/95, o décimo terceiro deve ser proporcional ao salário mensal do colaborador nos seguintes casos:

I – na extinção dos contratos a prazo, entre estes incluídos os de safra, ainda que a relação de emprego haja findado antes de dezembro;
II – na cessação da relação de emprego resultante da aposentadoria do trabalhador, ainda que verificada antes de dezembro.

Em resumo, se o funcionário trabalhou por seis meses, o benefício terá um valor proporcional a esse tempo. Por isso, muitos trabalhadores não recebem o valor equivalente ao total do salário registrado na carteira de trabalho.

Como calcular o décimo terceiro?

Como já falamos anteriormente, há muitas dúvidas sobre como calcular o décimo terceiro salário. Quando entra a divisão em duas partes, a questão fica ainda mais complicada, já que as parcelas normalmente não são divididas igualmente. Então, como isso funciona?

A primeira parcela, também conhecida como adiantamento, é o valor que corresponde à metade da remuneração do mês anterior ao recebimento. Esta não sofre nenhum desconto.

Por exemplo, se o pagamento for realizado em julho, a primeira parcela corresponde a metade do valor do salário do mês de junho.

Já na segunda parcela equivale ao salário bruto do mês de dezembro, menos valor da primeira parcela. Serão descontados ainda o INSS e o Imposto de Renda.

Para saber como calcular o décimo terceiro, é necessário lembrar que, se o funcionário começou a trabalhar há menos de um ano, o benefício será pago em valor menor, correspondente ao tempo de registro na carteira de trabalho. Só recebe o benefício quem trabalha na empresa desde janeiro. No entanto, é preciso ter trabalhado ao menos 15 dias no mês de janeiro.

Passo a passo para calcular o décimo terceiro

Quer saber como calcular o décimo terceiro? Siga os passos abaixo:

– Considere o valor do seu salário bruto (registrado em carteira) e divida-o por 12;
– O resultado da divisão deve ser multiplicado pelo número de meses em que você trabalhou naquele ano até um mês anterior ao pagamento da primeira parcela. Se o pagamento for feito em agosto e você já estava trabalhando na empresa em janeiro, por exemplo, deve multiplicar por 7. Se for em novembro, deve multiplicar os meses considerando até outubro;
– A primeira parcela será equivalente à metade do valor encontrado, sem descontos;
Para fazer o cálculo da segunda parcela, basta dividir novamente o salário bruto por 12 e multiplicar pelo número de meses trabalhados. Em seguida, do valor total, diminua o valor do adiantamento e os descontos do INSS e do Imposto de Renda.

Quando você aprende como calcular o décimo terceiro, é necessário saber também que, caso o colaborador tenha recebido horas extras ao longo do ano, o benefício terá um crescimento proporcional a essas horas trabalhadas. Para isso, você precisa:

– Somar as horas extras feitas até o mês anterior ao pagamento;
– Dividir por 12;
– Multiplicar o resultado pelo custo da hora extra e somar ao salário bruto;
– O valor deve ser utilizado para calcular a primeira parcela do décimo terceiro.

Em dezembro, a conta é refeita para incluir no pagamento da segunda parcela as horas extras dos meses anteriores.

Como usar o décimo terceiro da melhor forma?

Agora que você já sabe como calcular o décimo terceiro salário, nada melhor do que aprender como aproveitá-lo da forma mais inteligente.

Por ser um salário extra recebido no final do ano, muitas pessoas não se programam e acabam gastando o valor deliberadamente. No entanto, vale a pena pensar com cautela e usar esse dinheiro para, em primeiro lugar, colocar sua vida financeira em ordem.

Confira algumas dicas de como usar o benefício.

1 – Quitar dívidas

Quitar as dívidas existentes é a melhor maneira de usar o décimo terceiro salário. Se você tem contas atrasadas, o ideal é usar o valor para colocá-las em dia.

Se você tem mais de uma conta em atraso e não sabe qual priorizar, comece por aquelas que têm os juros mais altos, como o rotativo do cartão de crédito e cheque especial, que crescem mais rapidamente e podem se transformar em uma bola de neve. Assim, você pode começar o ano seguinte com um fôlego no orçamento.

Caso não seja possível pagar tudo de uma vez, comece pelas dívidas mais caras e dê uma entrada considerável para reduzir o valor das parcelas a serem pagas. Outra opção é buscar as dívidas vencidas que ajudam a limpar seu nome nos cadastros de proteção ao crédito, a Serasa. No Serasa Limpa Nome, por exemplo, você pode consultar suas dívidas e fazer acordos com até 90% de desconto de forma prática, online e totalmente segura.

2 – Reforçar a reserva de emergência<

Se você não tem nenhuma dívida em atraso ou empréstimos para serem quitados, uma boa dica é usar o décimo terceiro salário para compor sua reserva de emergência, que vai te ajudar a lidar com imprevistos com mais tranquilidade.

Os especialistas recomendam que uma reserva de emergência tenha pelo menos o equivalente a seis meses de suas despesas mensais. Ou seja, se seu gasto mensal é de R$ 1.000, o ideal é reservar R$ 6.000, mas você pode começar aos poucos.

Além disso, vale lembrar que o início do ano normalmente traz despesas pesadas, como IPTU, IPVA, rematrícula e compras de materiais escolares. Por isso, antes de sair gastando o dinheiro do décimo terceiro, o melhor é olhar para frente e entender se esse dinheiro realmente não irá fazer falta no futuro.

Agora que você já sabe como calcular seu décimo terceiro e aprendeu a forma certa de utilizar o benefício, que tal começar o seu planejamento? O Serasa Ensina está repleto de conteúdos de educação financeira que podem te ajudar.

Se você está com o nome sujo e quer dicas de como limpar o nome rapidamente, acesse o Serasa Limpa Nome e descubra como fazer isso.

Consulte grátis seu CPF e seu SCORE Comece agora uma nova vida financeira.

Consultar agora