Entrar

Golpe do boleto falso: 5 dicas para não cair

Golpe do boleto falso

O boleto bancário é uma das formas mais práticas para pagar contas, impostos, tributos, compras na internet e fazer depósitos em contas e carteiras digitais. Por ser versátil, acaba sendo utilizado por muita gente.

Essas possibilidades que trazem tantas facilidades também chamam a atenção de golpistas e, por isso, é preciso ficar atento ao utilizar o sistema para fazer seus pagamentos. Confira nossas dicas para não cair em golpes com boleto falso.

Quais são as formas de pagar com boleto?

Regulamentado pelo Banco Central, em 1993, o boleto bancário é um método oficial de pagamentos no Brasil, responsável por mais de 3,5 bilhões de operações por ano. O boleto é a segunda forma de pagamento mais usada pelos brasileiros e fica atrás apenas do cartão de crédito.
Com o boleto, não é necessário ter vínculo em nenhuma instituição bancária para fazer um pagamento e, para muitas empresas, é a forma mais simples de cobrar por um serviço ou produto.

Além disso, muitas empresas oferecem descontos para quem paga com boleto, que se torna vantajoso tanto para quem paga quanto para quem recebe. Hoje, quando se atrasa o pagamento de um boleto não há mais necessidade de emitir um novo documento, ao fazer o pagamento, o valor é automaticamente reajustado.

Quais as vantagens de pagar com boleto?

  • É aceito em todo o país.

  • Não exige que o cliente tenha conta bancária ou cartão de crédito.

  • Opção para pagamento de impostos e tributos, como IPVA.

  • Atinge clientes que não estão habituados ou ainda têm medo de utilizar cartão em compras online.

  • Custos de cobrança menores em relação às tarifas de cartão de crédito.

  • Podem ser pagos pela internet, aplicativo do banco, telefone, internet banking, caixas eletrônicos e casas lotéricas.

Quais são os tipos de boleto bancário?

Existem três principais tipos de boleto bancário: avulso, carnê e de depósito. Cada um funciona de uma forma e tem uma finalidade, mas para o cliente final, eles trabalham de forma bem semelhante.

  • Boleto avulso: usado para fazer uma cobrança única e ao concluir a operação, o valor pode levar até 3 dias úteis para ser compensado.

  • Boleto carnê: funciona como o carnezinho de compra parcelado. Nele, as parcelas não são necessariamente descontadas automaticamente e pode haver multa por parcelamento por boleto, como é o caso do IPVA.

  • Boleto de depósito: usado por clientes de bancos digitais para depositar dinheiro na conta. Assim, basta pagar o boleto que o valor cai direto na sua conta. Geralmente, ele não tem custo.

O que significa cada campo de um boleto bancário?

Ao pegar um boleto para fazer um pagamento quase ninguém costuma verificar os campos. Tem gente que nem sabe o que eles significam. Mas é importante conhecer a funcionalidade de cada parte, pois cada uma é fundamental para saber se o boleto é verdadeiro ou falso e evitar cair em golpes.

  • Sacado: É quem compra o produto ou serviço, ou seja quem está pagando.

  • Cedente: É quem presta o serviço ou produto, ou seja, quem está cobrando. No caso de instituições de pagamento, o nome aparecerá como cedente.

  • Agência/Código do beneficiário ou Código do cedente: É o número da agência e tem 3 ou 4 dígitos. Quando tem 5, geralmente ele não aparece. O código do beneficiário, antes chamado de código do cedente é formado por 6 a 12 dígitos, de acordo com a carteira do banco.

  • Valor do título: É o preço do produto ou serviço e deve vir sempre em Reais, a moeda corrente no Brasil. É preciso informar também as condições de pagamentos, juros, multa, mora e descontos.

  • Vencimento: É a data limite para pagamento do boleto, sem juros, mora ou multa. Desde 2018, é possível pagar um boleto, mesmo vencido, em qualquer agência, casa lotérica ou correspondente bancário.

  • Juros e multa de mora: O Código Civil Brasileiro define a mora como um atraso no pagamento que é de responsabilidade do cliente. Os juros de mora podem ser por mês, proporcional aos dias de atraso ou um percentual aplicado uma única vez, aplicado a partir do dia seguinte à data de vencimento.

  • Nosso número: É uma sequência exclusiva de dígitos que identifica e compõe a linha digitável de cada boleto. Ele é único e não pode ser repetido.

  • Linha digitável: É a sequência de dígitos que identifica o banco, carteira de cobrança, nosso número e valor da cobrança. Essa linha costuma ter 48 algarismos. Os três primeiros são o código de compensação do banco emissor, ou código do banco. O quarto indica a moeda, que no caso de Reais é o número 9 (outras moedas são identificadas pelo 8). No final da linha digitável está a data de vencimento, sem vírgula ou outros caracteres.

  • Código de barras: É a representação da linha digitável para leitura em máquinas. Existem padrões diferentes para cada finalidade e a combinação de espessuras das barrinhas gera uma imagem única, com variações quase imperceptíveis para nós, mas muito diferentes para a leitura das máquinas.

5 dicas para se proteger de boletos falsos

Agora que você conhece e sabe identificar cada parte e como funciona um boleto bancário, confira nossas dicas de segurança para fugir de boletos falsos e evitar dores transtornos financeiros.

Sempre confira os números do código de barras

Nos boletos verdadeiros, os números do código de barras aparecem na parte superior e na inferior do documento e elas devem ser exatamente iguais. Como explicamos anteriormente, os três primeiros números da sequência correspondem ao código do banco que emitiu o boleto.

Verifique a fonte que emite o boleto

Os golpistas estão atentos às movimentações que fazemos, principalmente na internet. Se você fez alguma compra online ou acessou site de negociação, emita o boleto diretamente no canal oficial e não clique em boletos enviados por e-mail, SMS ou WhatsApp, caso isso não tenha sido acordado.

Confira os dados do boleto

Boletos falsos podem vir com erros de português. Por isso confira se as informações são verdadeiras e escritas de forma correta. Confira informações de data de vencimento, nome do beneficiário e o CNPJ. Em caso de dúvida quanto ao CNPJ, uma busca rápida na internet pode te ajudar a conferir se ele é real.

Fique atento ao valor

O valor total do boleto sempre aparece em dois campos do documento: no final do código de barras e também no espaço chamado “valor do documento”. Se esses valores não baterem, você pode estar com um boleto falso. Outro ponto de atenção é se o valor da cobrança está diferente do acordado ou diferente no caso de cobranças fixas.

Preste atenção aos dados do beneficiário

O CNPJ do emissor deve estar descrito no boleto bancário. Algumas empresas usam ou nome da razão social (nome oficial da empresa) e outras, o nome fantasia. Se você desconfiar do nome, vale fazer também uma busca rápida na internet.

Gostou das dicas? Compartilhe com seus amigos e familiares e ajude a evitar fraudes e golpes.