Entrar

Por que os pagamentos pelo WhatsApp não pegaram no Brasil?

Os pagamentos pelo WhatsApp são seguros, mas a ferramenta não encantou o brasileiro. Entenda por que o aplicativo teve baixa adesão por aqui.

Colunista marlise brenol
Publicado em: 09 de junho de 2022.

O pagamento na palma da mão virou rotina para o brasileiro. Apesar de diversas opções de meio de pagamentos, como Pix, transferência bancária, carteira digital, débito automático e boleto on-line, a ferramenta de pagamentos pelo WhatsApp foi anunciada como um meio para facilitar ainda mais a vida do consumidor. Lançado em maio de 2021 no Brasil, com o Pelé como garoto propaganda, acabou ofuscado pelo crescimento vertiginoso do Pix.

No vídeo, Pelé liga para o fundador do grupo Meta, detentor do Facebook, WhatsApp e Instagram, e pergunta como funciona o serviço. Mark responde que mandar dinheiro para familiares e amigos ficou tão fácil como enviar uma foto. O serviço de pagamento não é cobrado pela Meta, mas o usuário precisa cadastrar um cartão de débito no aplicativo. O blog Premium já explicou em mais de um texto como funciona o WhatsApp Pay passo a passo.

Uma pesquisa da Box Opinion com a Mobile Time, publicada em setembro de 2021, apontou que da base de usuários brasileiros, apenas 7% cadastrou WhatsApp Pay. A baixa adesão tem relação com a falta de confiança no WhatsApp. A mesma pesquisa apontou que 33% dos entrevistados disseram não cadastrar o serviço por não sentir segurança para inserir dados do cartão no aplicativo. A maior parte (50%) assume que não tem interesse no serviço.

whatsappay

Fonte: reprodução Mobile Time/Box Opinion

Por que o WhatsApp Pay não vingou?

Na disputa de reinado, o WhatsApp Pay foi a funcionalidade que não tomou o trono no Brasil. Apesar disso, o mensageiro segue bastante popular. Outra pesquisa recente da Box Opinion aponta que o aplicativo está presente na tela inicial do celular de 54% dos aparelhos nacionais, além de ser o aplicativo no qual os entrevistados passam mais tempo ao longo do dia. A pesquisa ouviu 2.036 brasileiros no final de 2021.

Se as pessoas adquiriram o hábito de usar o WhatsApp, seria natural a adesão por uma funcionalidade nova como o pagamento. Porém, o aplicativo enfrenta dois adversários agressivos neste campeonato: o Pix e a cibercriminalidade.

Por que o Pix ganha do pagamento pelo WhatsApp?

O interesse do brasileiro na funcionalidade WhatsApp é proporcionalmente inversa ao interesse no pagamento por meio do Pix. Nem a popularidade do Pelé foi capaz de mobilizar o país do futebol a confiar na Meta. Já o Pix, segundo os dados estatísticos do Banco Central, possuía 119 milhões de usuários cadastrados em maio de 2022.

O sistema de pagamento instantâneo do Banco Central, lançado em novembro de 2020, em meio à pandemia da Covid-19, caiu no gosto do brasileiro, pois além de fácil de usar, é sem custo para pessoa física. Outra vantagem é que o cidadão não depende de um cartão de débito ou de crédito, basta que ele possua uma conta convencional em uma instituição financeira. A chave de transferência de valores pode ser o número do telefone, o e-mail ou o CPF, entre outras, o que também agradou os brasileiros.

Os pagamentos pelo WhatsApp entraram na disputa pelo pagamento instantâneo cinco meses depois e largou em desvantagem porque a operação depende de um cartão de débito das bandeiras Mastercard ou Visa e de conta aberta em parceiros específicos que aderiram ao sistema da Meta: Banco do Brasil, Banco Inter, Bradesco, Itaú, Mercado Pago, Next, Nubank e Sicredi.

Por que o brasileiro não se sente seguro no WhatsApp?

Este é um ponto sensível. A insegurança em relação ao aplicativo está diretamente associada ao crescimento da cibercriminalidade. Os golpes e fraudes cometidos por meio do app cresceram na mesma proporção da adesão aos brasileiros ao mensageiro. A Kaspersky aponta um crescimento de 23% de ciberataques em 2021 em relação ao ano anterior. A pesquisa Panorama de Ameaças é feita anualmente e destaca o crescimento de envio de link maliciosos pelos meios digitais, e-mails e mensageiros.

Este tipo de ameaça tem mais relação com o comportamento do usuário do que com a segurança do aplicativo. Se o usuário do WhatsApp clica em um link de origem desconhecida ou fornece dados pessoais como nome completo, CPF, login e senha para desconhecidos, a empresa Meta não pode impedir o roubo. Apesar de não ser uma vulnerabilidade do WhatsApp, boa parte dos roubos, golpes e fraudes passa pelo mensageiro. Este é o motivo pelo qual os brasileiros tendem a não confiar o número do cartão de débito ao WhatsApp Pay.

Assista | Golpes de WhatsApp: como fugir?

O que o Grupo Meta faz para a proteção no WhatsApp Pay?

O grupo Meta explica no site que adota as melhores práticas para proteger as informações de pagamento: criptografia, armazenamento em camadas, biometria e autenticação do cartão de débito ou múltiplo. Pela adoção de criptografia de ponta a ponta e operação realizada no aplicativo, o WhatsApp garante que as informações de pagamentos estão protegidas de intercepção ou vazamentos. Outro recurso adotado é o armazenamento de dados em mais de uma camada de proteção para que haja redundância de segurança no tráfego entre distintos aplicativos e dispositivos móveis.

A segurança fica ainda mais reforçada com a exigência de senha ou biometria para autorização do envio do dinheiro. E tudo isso só será possível se os dados do cartão de débito ou múltiplo foram chancelados pela operadora do serviço de crédito.

As medidas de proteção tendem a evitar fraude na operação, nenhum caso de vulnerabilidade na transação pelo Whatsapp Pay foi denunciado ou, pelo menos, publicizado, por enquanto. Este é um bom indicador de segurança do serviço. Mas o WhatsApp, seja na funcionalidade pagamento, seja no mensageiro, exige uma conduta preventiva.

Monitore os seus dados com Serasa Premium

Mesmo com todos os cuidados como rotina, muitas vezes ficamos reféns de golpistas sem ter consciência. Por isso, é importante monitorar os dados pessoais com regularidade. Uma dica é acessar a pontuação Score e verificar o CPF com regularidade, estes são dois hábitos que podem evitar muita dor de cabeça futura. Apesar de você conseguir fazer sozinho esta verificação, o Serasa Premium facilita a sua vida. Com a assinatura do serviço, você será alertado caso haja alteração no Score ou movimentação suspeita no CPF.