Entrar

Três passos para o monitoramento de dados pessoais

Você entende a importância de proteger suas informações? Aprenda em três passos como fazer um monitoramento de dados pessoais eficiente.

Colunista marlise brenol
Publicado em: 02 de fevereiro de 2022.

Há uma transformação em curso na sociedade chamada de dataficação da vida. As informações sobre um indivíduo passam a ter valor no mercado, tanto para o cidadão como para as empresas e para o Estado. Este entendimento gerou no Brasil uma legislação chamada lei de proteção dos dados pessoais, a LGPD, que dá autonomia e controle ao titular de informações pessoais, ou seja, você. Mas o que isso tem a ver com monitoramento de dados pessoais?

Para as empresas, ter cadastro de clientes é estratégico para estabelecer uma relação duradoura nos negócios. Para o Estado, é importante conhecer o perfil estatístico da população para definir políticas públicas. Para o indivíduo, é fundamental o discernimento de saber quais dados são solicitados e manipulados, por quem e para qual finalidade.

O controle por parte do titular inibe o desvio de finalidade e permite uma fiscalização sobre o uso e apropriação destas informações. Um exemplo da vida cotidiana é o cadastro que você preenche para acessar a internet gratuitamente em uma cafeteria. O estabelecimento tem de explicar a finalidade e pedir autorização do titular se além de fornecer internet, também haja interesse em usar os dados para o envio de mensagens de marketing.

O controle está com o titular justamente porque a lei obriga que a empresa ofereça a opção de o indivíduo usar o Wi-Fi gratuito na cafeteria e optar por não receber mensagens ou e-mails futuros. Além disso, o titular também pode pedir descadastramento imediato a qualquer tempo e sem justificativa. Então, o consumidor pode aceitar receber mensagens da cafeteria e logo depois mudar de ideia.

A fiscalização do cumprimento da lei é feita pelos órgãos de defesa do consumidor, os Procons nos Estados ou municípios, e também pela Autoridade Nacional de Proteção dos dados, a ANPD, órgão público da administração federal com autonomia técnica para fiscalizar o cumprimento do LGPD e punir ou aplicar multas em casos de desvios. O foco do órgão público é a proteção do cidadão e das informações de cunho privado.

Monitoramento de dados pessoais: como posso fazer o meu?

Há diferentes serviços que possibilitam que o cidadão tenha ciência de como os seus dados

pessoais estão circulando na internet, pois muitas vezes informações circulam por vazamentos sem conhecimento do titular. Mas há também a questão do comportamento do consumidor em relação à conduta preventiva. Confira três passos para o monitoramento de dados e redução de danos.

1) Assumir o controle sobre os cadastros

Ainda que a verificação regular de cadastros venha a se tornar mais uma obrigação de rotina, tem se tornado imprescindível. Assumir o controle é tomar consciência sobre os cadastros nos quais os dados pessoais estão circulando e sendo tratados pelo controlador. O cuidado deve estar presente na hora de preencher um novo cadastro e também na decisão de manter o cadastro ativo ou pedir exclusão.

O cidadão pode adotar medidas preventivas, tanto para alterar condutas ao compartilhar dados em sites e aplicativos, como em monitoramento da circulação de informações. Pode acontecer de dados vazarem pela ação ou descuido da vítima, mas normalmente o vazamento foge do controle do titular das informações. Quanto mais controle o titular obtiver sobre os seus dados, menos risco ele corre de cair em golpes e fraudes, por isso é importante prestar atenção e proteger as informações pessoais.

2) Navegar em ambientes seguros

Há três temas de casa para uma navegação mais segura em ambiente de cibercrimes: senha forte, autenticação de múltiplos fatores e instalações seguras.

A senha forte é um mecanismo de proteção de dados contra roubo. Para dificultar a ação criminosa, a tática é a combinação de caracteres especiais, letras maiúsculas, minúsculas e números, evitando utilizar nome, endereço ou palavras comuns.

Leia também | Segurança digital: o que é e como criar uma senha forte

A habilitação da verificação de senhas em duas ou mais etapas impede que terceiros acessem uma conta mesmo no caso de roubo ou vazamento de dados, pois cada acesso em um dispositivo novo vai requerer a validação em outra conta. Por exemplo: para acessar o Instagram de um computador, é preciso validar por e-mail.

Aplicativos, softwares, extensões e outros programas que forem baixados da internet devem ser acessados por meio de fontes e lojas oficiais, nunca por meio de links enviados por mensageiros ou por e-mails.

A verificação da origem e segurança antes de baixar é fundamental. Muitas vezes os arquivos

instalados contêm softwares espiões capazes de raspar informações. A atualização do sistema operacional, dos programas antivírus e dos aplicativos com regularidade também aumentam a segurança da máquina.

3) Assinar um serviço de monitoramento inteligente

As medidas de segurança e monitoramento devem ser adotadas em conjunto. A conduta consciente sobre os cadastros ativos no seu nome é importante, mas não garante total controle.

Também é preciso monitorar os seus dados pessoais com frequência para saber se o seu nome está envolvido em algum vazamento de cadastro ou outro comportamento de risco. No caso de dados vazados para a Deep Web, o monitoramento alerta para quais são as informações expostas e assim o titular pode agir para evitar danos maiores com golpes e fraudes.

No caso de roubo de informações específicas, se elas forem utilizadas por terceiros, o titular também será notificado. O serviço indica ainda as mudanças na pontuação do score que ajudam o consumidor a agir para manter boa reputação no mercado.

Os três passos são complementares. Assumir o controle de cadastros reduz o risco de danos. Garantir a instalação de softwares com segurança deixa a navegação menos exposta. Mas a assinatura de um serviço de monitoramento é a estratégia mais eficiente, pois automaticamente o titular será alertado sobre movimentações suspeitas.

A estratégia de monitoramento permite ao titular assumir mais controle sobre os dados pessoais. Conheça o Serasa Premium, uma assinatura mensal que aumenta a sua segurança e tranquilidade. Com ela, você passa a ser alertado sobre qualquer consulta ou movimentação feita em seu nome e pode agir antes que o problema fique fora de controle.