Entrar

Bolsa Trabalho: conheça o novo benefício do governo paulista

A proposta do Bolsa Trabalho é trazer mais ocupação, renda e qualificação profissional para a população desempregada.

colunista Veridiana Lopes
Publicado em: 11 de fevereiro de 2022.

Que estamos enfrentando uma das maiores crises econômicas do país e batendo recordes de desemprego, isso você já sabe com os jornais e noticiários. Mas você conhece as medidas criadas para auxiliar a população durante esse período? O Bolsa Trabalho é uma proposta que surgiu nesse momento e procura trazer mais ocupação, renda e qualificação profissional para a população desempregada.

Neste artigo, você conhecerá mais sobre esse benefício e como ele pode não só trazer de volta a qualidade de vida de muitas pessoas, mas também voltar a fazer com que a economia local e até uma parte da nacional se beneficie do novo, melhorando o poder de compra e estilo de vida da população.

Leia também | O que é o poder aquisitivo? Entenda mais sobre esse indicador

Como funciona o Bolsa Trabalho?

Os beneficiários do programa, se estiverem de acordo com o perfil destinado a receber o benefício, terão acesso a um valor de R$ 540,00 durante cinco meses. Para garantir ainda mais oportunidades, o participante ainda pode fazer cursos e outros tipos de qualificações para se profissionalizar e voltar ao mercado de trabalho.

O programa é um dos maiores investimentos socioeconômicos do Governo de São Paulo e conta com mais de 150 mil vagas para a população desempregada, com um investimento de mais de R$ 415 milhões de reais para custear o acesso ao benefício.

Quer ter acesso a outros programas sociais? Então, descubra como o auxílio gás funciona e como você pode ter acesso a esse novo benefício neste artigo.

De acordo com o Governo de São Paulo, a Bolsa Trabalho é um benefício agregado da Bolsa do Povo, um programa focado em combater a desigualdade social e a falta de renda.

Ainda que não tenha definição, o programa é uma forma de melhoria da qualidade de vida da parcela da população que apresenta vulnerabilidade social.

Como participar?

Por ser um programa de transferência de renda, ele é destinado às famílias pobres que precisam atender uma série de exigências para estarem aptas a receber o benefício.

Para o Bolsa Trabalho, é importante que você seja um trabalhador desempregado, mas que não possua ou receba seguro-desemprego ou qualquer outro programa assistencial equivalente.

Além disso, é importante atender o limite de renda per capita necessário na família, que é de até meio salário-mínimo. Outro critério é residir no estado de São Paulo há no mínimo dois anos e ter apenas um beneficiário por núcleo familiar.

Para se inscrever no programa, além dos requisitos básicos, é importante ter acesso a documentos como RG, CPF, Carteira de Trabalho e comprovante de endereço. Outro fator importante é sobre os pontos de inscrição, que apesar de ainda não terem sido divulgados, muito provavelmente serão os CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) da cidade.

Como manter a saúde financeira desempregado?

Em momentos como esse, existem muitas dúvidas relacionadas a como se manter financeiramente, fechar as contas do mês e diminuir o estilo de vida para se manter longe das dívidas.

Eu preparei uma série de dicas práticas que te ajudarão a viver esse momento com mais tranquilidade e consciência do que você precisa fazer para continuar tendo uma saúde financeira em dia.

O ideal para a sua organização mensal é dividir sua receita em pequenas partes, algumas destinadas às contas, outras a uma reserva para o seu futuro. Mas, como fazer isso quando sobra conta e falta dinheiro? Estes são alguns passos que te ajudarão na jornada:

Conte com a ajuda familiar

Para garantir que os seus planos deem certo, não deixe de contar com apoio familiar, que fará com que você tenha muito mais foco nas metas que a sua família precisa cumprir para se manter estável e segura.

Some as contas e comece a se organizar

Um dos primeiros passos é entender onde você está hoje. Por isso, é essencial que você pegue o papel e a caneta e some tudo o que você precisa pagar de dívida em aberto.

Faça anotações sobre tudo que envolve seu custo de vida, com os seus gastos diários e contas fixas, para que você tenha controle e noção do quanto precisa desembolsar para quitar e começar a enxugar custos desnecessários no seu orçamento.

Nesta etapa, vale a pena passar um pente fino nas contas. Em vez de anotar apenas o valor da fatura do cartão de crédito, por exemplo, analise-a com cuidado para identificar quais gastos estão por trás desse total. Assim, fica mais fácil mapear e combater os chamados “gastos invisíveis”, que parecem insignificantes mas podem corroer o seu orçamento ao longo do mês.

Use seu poder de negociação

Uma das suas melhores medidas em caso de desemprego é negociar dívidas. Mas, essa é uma ação que só deve ser adotada caso você tenha renda disponível para honrar o seu compromisso.

Então, se você possui pendências com empresas ou instituições financeiras, chegou a hora de atender as famosas chamadas e tentar renegociar, garantindo alguns benefícios para você em um momento tão delicado como esse.

Por isso, analise todas as oportunidades de fazer uma negociação, que te ajudará a dormir com muito mais tranquilidade. Antes de fechar um acordo, leve sempre em consideração o seu estilo de vida atual.

Não vá comprometer mais do que 20% da sua receita mensal atual, porque cada moeda importa e você precisa ter certeza de que conseguirá arcar com o valor combinado.

Além disso, enquanto um emprego formal não vem, você pode procurar alternativas para ganhar dinheiro em casa. Confira este conteúdo com 8 dicas para fazer renda extra.

Essas são algumas ideias que ajudarão você a economizar e se manter financeiramente, tendo ou não acesso ao Bolsa Trabalho.

Caso tenha gostado deste artigo, não deixe de enviar o link para outras pessoas que precisam aprender mais sobre e desejam voltar a ter mais qualidade de vida com esse benefício.