Entrar

O que são juros compostos: aliados ou vilões do orçamento?

Entenda o que são juros compostos, como calcular, em quais situações eles são aplicados e como usá-los a seu favor.

colunista Veridiana Lopes
Publicado em: 09 de dezembro de 2021.

O termo mais importante e famoso no mundo da educação financeira é “juros compostos”. É normal encontrar esse conceito o tempo inteiro, mas, afinal, será que ele representa algo bom ou ruim para você?

Os juros compostos podem ser um terror ou a solução para a sua vida financeira! É horrível para quem paga, mas maravilhoso para quem recebe por meio de investimentos, por exemplo.

Quer entender melhor como isso funciona? Então, continue a leitura.

O que são os juros?

O conceito de juros está normalmente vinculado a empréstimos. É o preço que o credor (instituição que empresta) cobra ao realizar a transação.

Quando pegamos um empréstimo, a instituição financeira cobra uma determinada taxa de você para realizar a operação financeira. Essa taxa é o famoso “juro” cobrado. E existem dois tipos: os juros simples e compostos.

Diferenças entre juros simples e juros compostos

Os juros são simples quando a taxa é definida a partir do valor total do empréstimo.

Vamos supor que um amigo te empresta R$ 1.000 e vai te cobrar 5% de juros para isso. Neste caso, os juros cobrados por ele são de R$ 50. Então, o valor total a ser devolvido ao amigo é de R$ 1.050. Esse valor também pode ser chamado de saldo devedor.

Já nos juros compostos, a taxa é atribuída ao longo de um período pré-determinado em contrato e somado ao valor inicial. Em termos mais simples, são os famosos “juros sobre juros”.

Considerando o mesmo exemplo, vamos supor que foi cobrado um juro de 5% ao mês. Para um período de 12 meses, o saldo devedor seria de R$ 1.795,86.

Com os exemplos práticos, fica claro que o juro composto é mais caro que os juros simples, né? E é este o motivo de ser a modalidade escolhida para as transações financeiras.

Como calcular os juros compostos na prática

Trazendo a parte matemática, a fórmula usada é a seguinte:

M = C (1 + i)t

Sendo “M” o montante acumulado, “C” o capital emprestado, “I” a taxa de juros praticada e “T” o período de tempo.

Vou fazer o passo a passo do cálculo com os mesmos números que citei no item acima para ficar mais claro.

R$ 1.000,00 emprestados a uma taxa de juros de 5% ao mês, por um período de 12 meses.

Aplicando a fórmula, seria:

M = R$ 1.000 (1 + 0,05)12
M = R$ 1.000 (1,05)12
M = R$ 1.000 * 1,79585
M = R$ 1.795,86

Em termos práticos, o que acontece é o seguinte: para cada mês, a taxa de juros é aplicada ao saldo devedor do mês anterior. Vou fazer a mesma conta de uma outra forma, para você entender a dinâmica dos juros compostos. É isso que acontece mensalmente:

Mês 00: R$ 1.000

Mês 01: R$ 1.000,00 + R$ 50 = R$ 1.050

Mês 02: R$ 1.050,00 + R$ 52,50 = R$ 1.052,50

Mês 03: R$ 1.102,50+ R$ 55,13 = R$ 1.102,50

Mês 04: R$ 1.157,63 + R$ 57,88 = R$ 1.215,51

Mês 05: R$ 1.215,51 + R$ 60,78 = R$ 1.276,28

Mês 06: R$ 1.276,28 + R$ 63,81 = R$ 1.340,10

Mês 07: R$ 1.340,10+ R$ 67,00 = R$ 1.407,10

Mês 08: R$ 1.407,10 + R$ 70,36 = R$ 1.477,46

Mês 09: R$ 1.477,46 + R$ 73,87 = R$ 1.551,33

Mês 10: R$ 1.551,33 + R$ 77,57 = R$ 1.628,89

Mês 11: R$ 1.628,89 + R$ 81,44 = R$ 1.710,34

Mês 12: R$ 1.710,34 + R$ 85,52 = R$ 1.795,86

Ufa! Parece um bicho de sete cabeças, mas não é. E não precisa fazer essa conta manualmente, tá? Quando precisar, você pode usar uma planilha ou até mesmo simuladores online.

Leia também | Como fazer uma planilha de gastos pessoais em 5 passos

Os juros compostos são ruins?

Quando falamos em empréstimos, principalmente em casos de inadimplência, vemos o juro composto como inimigo. Com ele, quanto maior for o prazo do contrato e a taxa praticada, maior fica o saldo devedor do solicitante.

No Brasil, temos uma das taxas de juros mais altas do mundo. Para se ter uma ideia, a taxa básica de juros do país, a Selic, que influencia todas as outras, está em um ciclo de alta. No início de 2021, ela era de 2% ao ano, mas subiu várias vezes até chegar a 9,25% em dezembro.

Leia também | O que é Taxa Selic e como ela afeta sua vida?

E os juros praticados nos empréstimos são sempre maiores do que isso. Para quem empresta dinheiro, é maravilhoso, já que ele receberá mais ao fazer essa transação. Mas, para quem pega emprestado, pode não ser tão legal…

Por isso, sempre que você precisar de crédito – seja por meio de cartões de crédito, empréstimos ou financiamentos –, lembre-se de consultar as taxas praticadas e o CET (Custo Efetivo Total), que é a soma de todas as tarifas cobradas pela instituição financeira. Esse é o percentual que vai ser aplicado no seu contrato.

Neste vídeo do Serasa Ensina, você pode entender melhor como isso funciona:

https://www.youtube.com/watch?v=A7LzmWagNrs

Qual é o lado bom disso?

A maioria das pessoas vive e pensa apenas no lado ruim dos juros compostos: o de pagá-los. Mas e se eu te disser que é possível receber juros compostos? Já imaginou?

Você pode virar esse jogo e ser a figura que empresta dinheiro. É exatamente isso que acontece quando falamos sobre investimentos – principalmente na renda fixa. No mundo das finanças, é o que chamamos de “fazer o dinheiro trabalhar por você”.

Olha só esse exemplo, de um investimento com taxas conservadoras:

Se VOCÊ investir R$ 500 por mês por 11 anos a uma taxa de 11,70% ao ano, terá acumulado um valor de R$ 135.102,11.

Agora, perceba o seguinte: desse montante acumulado, saiu do seu bolso apenas R$ 66.000,00. Toda a diferença é resultado dos juros compostos trabalhando.

Isso quer dizer que, graças aos juros compostos, você dobrou o valor investido nesse período. Sem nenhum esforço adicional.

E como expliquei, o fator mais importante para os juros compostos é o tempo. Quanto maior o tempo, mais o seu dinheiro consegue se multiplicar.

Investindo o mesmo valor com a mesma taxa por 20 anos, seriam R$ 480.221,40 acumulados. Sendo que saíram apenas R$ 120.000,00 do seu bolso. Em 30 anos, seriam R$ 1.651.540,95 acumulados. Deste valor, apenas R$ 180.000,00 foram aportes. Bom demais, né?

Acho que ficou claro a diferença que faz investir o seu patrimônio e usar os juros compostos ao seu favor, né? Por isso é importante começar a investir o seu dinheiro mais cedo possível.

Eu usei o exemplo de um investimento de R$ 500, mas você começar com muito menos que isso. Há opções de investimentos para todas as realidades, com aporte inicial de apenas R$ 1.

Para dar os primeiros passos no mundo dos investimentos, recomendo que comece pelas opções conservadoras: Tesouro Direto e CDBs. Neles, você empresta dinheiro ao governo e aos bancos, respectivamente, em troca de uma taxa de juros. É exatamente o contrário de um empréstimo convencional.

Este artigo foi útil para você? Continue navegando pelo blog da Serasa para conferir mais conteúdos de educação financeira!