Entrar

Você sabe como funciona o cartão de débito? Entenda

Você já se perguntou como funciona o cartão de débito? Conheça tudo sobre a modalidade de pagamento, que é instantânea, segura e substitui o dinheiro de papel.

Foto elaine ortiz
Publicado em: 29 de novembro de 2021.

Como funciona o cartão de débito? Parece mágica, não é mesmo? Inserir o cartão de plástico na maquininha, digitar a senha e levar o produto para casa sem nem ter contato com dinheiro de papel. Tudo em questão de segundos.

Por trás dessa facilidade há um mecanismo importante que você deve compreender antes de sair utilizando seu cartão de débito à vontade. Quer saber mais? Continue a leitura!

O que é e como funciona o cartão de débito?

O cartão de débito é uma forma de pagamento eletrônica que ocorre instantaneamente, quando o usuário digita sua senha de seis ou quatro números. E o dinheiro sai diretamente da conta desse usuário. É por isso que esse é o tipo de pagamento que mais se assemelha ao dinheiro físico.

A forma de pagamento surgiu no Brasil nos anos 1980 e aos poucos foi substituindo o cheque. Hoje, as transações por este tipo de pagamento eletrônico são mais frequentes do que as feitas com o cartão de crédito.

Para se ter ideia, ao final de 2020 a quantidade de cartões de débito ativos no Brasil era de 167 milhões (26% maior do que o registrado no ano anterior), enquanto os cartões de crédito eram 134 milhões (aumento de 12%), segundo o Banco Central.

Mas, afinal, como funciona um cartão de débito? Basicamente, o cartão de débito permite a realização de pagamentos em locais credenciados, debitando o dinheiro diretamente da conta corrente do proprietário do cartão, mediante a digitação de uma senha pessoal. O valor é transferido automaticamente para a conta corrente do vendedor ou do prestador do serviço.

Isso significa que, para fazer uma compra usando o cartão de débito, é preciso ter saldo suficiente em sua conta corrente ou poupança. Do contrário, ou o pagamento será reprovado ou será aprovado, mas o usuário vai entrar no cheque especial, se tiver um limite de crédito disponível em sua conta.

Entrar no cheque especial não é interessante, ainda mais se for para consumir itens que não são de primeira necessidade. Isso porque, quando você fica com saldo negativo no banco, altos juros diários são aplicados. Dependendo do seu banco, a taxa de juros do cheque especial pode chegar a mais de 14% ao mês – ou 400% ao ano.

Além dos juros, caso o cliente ultrapasse o limite do cheque especial ou não tenha o dinheiro em conta no dia do pagamento, o banco pode cobrar uma multa em cima da dívida.

Para ficar mais claro: se você tem um saldo na sua conta corrente de R$ 200 e um limite de R$ 100, você deveria gastar no cartão de débito, no máximo, os R$ 200.

Nesse exemplo, se você fizer uma compra de R$ 250 no cartão de débito, essa compra será aprovada porque o banco irá subtrair os R$ 200 que você tinha de saldo e R$ 50 do seu limite. Neste momento, você levou sua compra para casa, mas entrou no cheque especial e está negativo em – R$ 50.

Com os juros, estes R$ 50 reais que você deve para o banco podem se tornar muito rapidamente bem mais caros do que o valor total da sua compra. E o pior é que você está com sua conta zerada, devendo R$ 50, mas se ainda tentar fazer outra compra de R$ 50 reais ela também será aprovada, porque seu limite ainda estará disponível, ficando, então, negativo em R$ 100.

É preciso ter muito cuidado ao utilizar o cheque especial. Algumas instituições bancárias oferecem o uso do limite sem cobrança de juros e taxas por alguns poucos dias, mas é preciso verificar se este é o seu caso antes de deixar seu saldo negativo.

Se não teve jeito e você utilizou seu limite, a orientação é quitá-lo o mais rápido possível. Para isso, considere procurar uma modalidade de crédito mais saudável, com tarifas mais baixas, para cobrir o cheque especial imediatamente. É melhor do que deixar os juros altos rolando e sua dívida aumentando.

O Serasa eCred pode te ajudar nessa busca. Na plataforma de crédito da Serasa, você pode encontrar diversas ofertas de empréstimo com base no seu perfil financeiro e necessidades. Aí, é só escolher a que cabe no seu bolso para organizar o orçamento novamente.

Neste vídeo do Serasa Ensina, você pode entender melhor como funciona a dinâmica do cheque especial:

https://www.youtube.com/watch?v=ByiNh1qmM14

Débito ou crédito: qual é a diferença e as semelhanças?

Se em sua aparência o cartão de débito é igualzinho a um cartão de crédito, com o mesmo tamanho e formato, em sua função ele é totalmente diferente.

Ambos são formas de pagamento eletrônicas. Mas, enquanto no cartão de crédito o usuário paga a compra que fez hoje cerca de um mês depois de ter feito a transação, no débito esse pagamento é feito na hora.

Por isso, com cartão de débito só compras à vista são possíveis. Já para compras parceladas, um cartão de crédito é necessário.

Além disso, os dois tipos de cartão precisam de uma senha para funcionar, que é uma espécie de assinatura eletrônica. Ela sempre deve ser mantida em segredo e jamais anotada junto do cartão. Afinal, se você perde ou tem seu cartão roubado, com a posse da senha, qualquer um consegue fazer compras em seu nome.

Leia também | Conheça os golpes e fraudes mais praticados no Brasil e proteja-se

Outro ponto que os cartões de débito e crédito têm em comum são os juros altos aplicados em caso de inadimplência. No caso do débito, o ato de usar o limite bancário para efetuar compras é chamado de “entrar no cheque especial”, como já mencionamos. No caso do crédito, quando a fatura não é paga em sua totalidade, isso é chamado de “utilizar o rotativo do cartão de crédito”.

Leia também | Juros rotativo ou crédito rotativo: entenda o que é e como funciona

São dois comportamentos financeiros que você deve evitar ao máximo para não entrar em um mar de dívidas e sujar seu nome, já que tanto o cheque especial quanto o crédito rotativo estão entre as linhas de crédito mais caras do Brasil.

Existe cartão de débito que funciona como crédito?

Cartão de crédito e débito existe, sim. Estes cartões são chamados de múltiplos e possuem tanto a função crédito quanto a de débito em um só cartão. Dessa forma, no momento da compra, o usuário deve informar se o pagamento deverá ser feito na função crédito (que leva a um pagamento futuro, por meio de uma fatura do cartão de crédito) ou na função débito (instantâneo, que sai direto da sua conta corrente).

Como conseguir um cartão de débito?

Normalmente, é preciso ter uma conta corrente ou conta poupança aberta em alguma instituição financeira para se ter acesso a um cartão de débito, já que o valor das compras efetuadas é automaticamente debitado do seu saldo disponível.

Mas, se você não tem e não quer ter uma conta em banco e gostaria de ter um cartão de débito em mãos, existe uma opção: o cartão pré-pago. É um cartão que não é de crédito, porque não tem fatura no fim do mês, e possui um limite estabelecido por você mesmo. Ou seja, é um tipo de cartão com o qual você não corre risco nem de entrar no juros rotativo do cartão de crédito, nem de entrar no cheque especial do cartão de débito.

Se quiser conhecer mais e até mesmo fazer uma simulação de cartão pré-pago, é só clicar aqui, que o eCred também pode te ajudar. E agora, as vantagens do cartão de débito, como funciona essa modalidade e as suas diferenças em relação ao cartão de crédito ainda são dúvidas para você? No blog da Serasa eCred, você encontra mais conteúdos sobre o mercado de crédito. Não deixe de conferir!

Leia também | Como fazer uma simulação de empréstimo no Serasa eCred?