As dívidas e as prestações mensais, sem dúvida, são a maior assombração de quem fica desempregado de uma hora para a outra.

Contatar os credores de financiamentos para expor a situação e alongar prazos é uma das saídas. Mas a venda de bens como carro, também deve ser considerada. Para ajudar quem ficou desempregado a não se endividar, listamos 15 dias.

Afinal, o desempregado precisa ter em mente que trata-se de uma fase complicada e cheia de restrições. Mas ela pode ser atravessada desde que haja organização e disciplina.

Muitas vezes, a condição é um estímulo para começar um novo estilo de vida. Pode ser em um posto de trabalho melhor ou até como patrão.

Os especialistas do Serasa Consumidor organizaram um roteiro prático – avaliado pelo CATe (Centro de Apoio ao Trabalho e Empreendedorismo), da prefeitura de São Paulo – com dicas para evitar dívidas enquanto você está desempregado:

1 – Encare a situação de frente

Agora é hora de saber quais são os recursos disponíveis. Coloque no papel:

  • As verbas rescisórias (pagamento de férias, 13º proporcional, multa sobre o FGTS e liberação do mesmo, quando não for justa causa);
  • Algum fundo de emergência criado para este fim e o seguro-desemprego.

Esse montante será sua base financeira até encontrar um novo emprego e voltar a receber um salário.

2 – Não se empolgue com o dinheiro recebido

Ao se depararem com uma quantia considerável, proveniente da verba rescisória e demais benefícios, muitas pessoas se iludem e cogitam fazer investimentos, como trocar o carro ou reformar a casa. Mas atenção! Nesse momento você não tem mais renda mensal, e esse dinheiro é seu único recurso para pagar as contas fixas durante o tempo em que estará desempregado.

3 – Não pague com cartão de crédito

Jogar as despesas para o próximo mês, quando não há perspectiva de um novo trabalho e renda, só agravará o problema.

Lembre-se de que os juros do cartão de crédito estão entre os maiores do mercado e nesta fase será bem fácil entrar em uma bola de neve com dívidas no cartão.

Por isso, dê férias indeterminadas para o cartão.

4 – Coloque as contas na ponta do lápis

Inclua suas fontes de renda e todos os gastos (inclusive pequenas despesas do dia a dia).

Manter controle total sobre as finanças é a melhor maneira de evitar o endividamento e conseguir identificar onde cortar gastos. Confira, aqui, o passo a passo para montar seu orçamento.

5 – Corte itens nas despesas mensais

Não tem jeito. Uma das primeiras atitudes práticas para quem está desempregado e não vê perspectiva de encontrar um novo trabalho em pouco tempo é enxugar o orçamento.

Para isso, será necessária a contribuição da família. Explique que é uma situação temporária, mas para evitar transtornos maiores, algumas despesas terão que ser cortadas.

Caso ainda não tenha, organize uma planilha com todas as contas mensais, incluindo dívidas e prestações. Esse hábito deve se manter por toda a vida, porque ajuda a saber onde a renda mensal é empregada.

Retire dessa lista tudo o que pode ser cortado temporariamente. Isso inclui academia, cursos de idiomas, faxineira, gastos com salão de beleza, TV a cabo, por exemplo. Mantenha apenas os itens essenciais, como: alimentação, plano de saúde, contas de luz e água.

6 – Diminua o valor das contas que não podem ser cortadas

Mesmo algumas despesas fixas devem sofrer redução. É possível economizar luz e água e restringir itens na lista de compras do supermercado ou substituí-los por produtos similares mais em conta, por exemplo.

7 – Pague à vista

Como a gente já disse, é hora de trocar o crédito pelo débito. E para ir além, vá pagando à vista as contas indispensáveis. Assim, você terá como controlar melhor sua verba, sabendo exatamente quanto pode empenhar em cada compra/pagamento.

8 – Pratique a boa avareza

Faça economias pequenas no dia a dia, dispensando o cafezinho na padaria, o pão de queijo na esquina e a pizza no fim de semana.

Esses poucos reais economizados, ao longo de um mês, transformam-se no dinheiro que falta para a conta de gás, por exemplo.

9 – Economia com transporte

Em alguns momentos será mais barato deixar o carro e sair de casa a pé ou de transporte público. O procedimento evita gastos com combustível e não desgasta o veículo, adiando a manutenção e a troca de peças.

10 – Dívidas anteriores ao desemprego

Caso o desempregado tenha dívidas atrasadas para arcar, o primeiro passo é contatar os credores e explicar a situação.

Para acertar as contas com o cheque especial e o cartão de crédito, pode ser viável pedir uma atualização de valores e fazer uma proposta para quitar à vista, com desconto. Avalie também se é possível empenhar a verba rescisória nesses pagamentos.

11 – Veja se você tem seguro prestamista

Verifique se você possui um seguro prestamista, é basicamente um seguro que garante a quitação de dívidas em caso de desemprego involuntário (sem justa causa).

O prestamista está incluído em diversos tipos de produtos bancários e é utilizado para cobrir empréstimos, dívidas no cartão de crédito, prestações de consórcio e financiamento de bens – como automóveis, eletrodomésticos e imóveis -, além do empréstimo consignado com desconto em folha.

Vale lembrar que, em caso de atrasados, não há cobertura. Ele só será aplicado em mensalidades que vençam após a data de demissão.

12 – Avalie seus financiamentos

Caso o desemprego chegue enquanto um imóvel está sendo financiado, há duas alternativas a se considerar: se você acredita que sua recolocação profissional não demorará muito, vale a pena encontrar meios para seguir pagando as parcelas.

Pedir dinheiro emprestado para amigos ou parentes é uma alternativa, mas só se houver como fazer o ressarcimento em breve.

No entanto, se não há previsão para um novo emprego, o melhor é passar a dívida adiante, tentando recuperar o que já foi investido.

O dinheiro deste repasse pode, inclusive, ser utilizado para a manutenção das despesas fixas enquanto durar o desemprego.

O mesmo raciocínio vale para financiamentos de outros bens.

13 – É a hora de fazer dinheiro rápido

A venda de bens que tenham liquidez é um caminho viável para quem está desempregado há algum tempo e vê as dívidas se acumulando.

Muito melhor do que entrar em um círculo vicioso de inadimplência é se desfazer de algum bem rentável, como um carro, por exemplo.

14 – Não faça novas dívidas

Quando o novo emprego ainda não é uma realidade, ir atrás de empréstimos não é uma boa saída. Lembre-se: a primeira parcela do financiamento vai chegar antes que você tenha um salário.

15 – Assim que for possível, comece a poupar

Passada a fase de desemprego, fica a lição: uma reserva financeira para momentos de crise é muito bem-vinda. Por isso, quando sua vida profissional estiver estabilizada e o salário voltar a ser uma realidade, faça uma reserva para as próximas eventualidades.

Veja outros posts da série:
Fui demitido, e agora? 11 dicas para encarar o momento sem desespero

Faça a faxina nas suas contas!

NEGOCIE GRÁTIS SUAS DÍVIDAS

Consulte grátis seu CPF e seu SCORE Comece agora uma nova vida financeira.

Consultar agora