Entrar

Segurança de dados: o que é e como funciona a legislação

As leis de proteção de dados têm trazido o tema da segurança digital para o dia a dia de todas as pessoas. Entenda como proteger seus dados na internet.

Foto Vanessa Conulista
Publicado em: 02 de maio de 2022.

Em um mundo onde praticamente tudo é digital, se torna cada vez mais comum deixar informações pessoais disponíveis em sites, aplicativos e redes sociais. E, com isso, a segurança de dados se torna ainda mais essencial, afinal, nesse ambiente, nem sempre temos controle de quem vai acessar essas informações.

Mas quando falamos na proteção de dados pessoais na internet, é comum que muita gente ache o assunto confuso e acaba se distanciando. No entanto, é essencial entender sobre o que pode ser feito para garantir a nossa privacidade.

A segurança da informação é um assunto muito falado por empresas, principalmente nas áreas de tecnologia. Afinal, todas as companhias que têm acesso a dados de seus clientes e usuários – como a Serasa! – devem cuidar para que essas informações não sejam expostas.

Mas pensar no que você pode fazer para garantir a seguridade da sua vida privada também é essencial. Continue lendo para entender mais sobre o que as leis podem fazer pelos cidadãos e como se proteger no mundo digital!

O que é segurança de dados?

A segurança de dados, ou da informação, é um conjunto de processos e ações tomadas para garantir a preservação das informações pessoais.

De alguns anos para cá, houve um aumento de dados de milhões de pessoas disponíveis na internet. Com isso, também cresceu o número de fraudes feitas com base em dados vazados ou roubados.

Por isso, os governos e empresas começaram a se preocupar com a forma como essas informações eram tratadas. Assim, surgiu a necessidade de criar formas de garantir que esse tratamento fosse feito corretamente, evitando o mau uso dos dados.

Do lado jurídico, diversos países passaram a discutir a elaboração de uma lei de segurança de dados, enquanto as empresas e governos começaram a se preparar tecnologicamente para atender a essas novas formas de lidar com os dados de seus usuários.

Para estabelecer as medidas tomadas para garantir a segurança de dados na internet, foi preciso seguir 5 pilares:

Confidencialidade

Garante que apenas quem está autorizado tenha acesso às informações.

Autenticidade

Assegura que os dados são verdadeiros e autênticos.

Integridade

Garante a preservação das características originais dos dados e que eles não sofram alterações durante o processamento.

Disponibilidade

Permite o acesso aos dados sempre que necessário pelas pessoas autorizadas.

Irretratabilidade

Garante que uma pessoa ou empresa não pode negar a autoria de uma transação ou informação fornecida.

Leia também | Segurança digital: o que é e como criar uma senha forte

LGPD: como a legislação pode ajudar na sua segurança digital

Como dissemos, nos últimos anos foi necessária a elaboração de uma legislação que apoiasse a segurança dos dados em um mundo digitalizado. No Brasil, o resultado disso foi a Lei Geral de Proteção de Dados, ou LGPD.

O que é e como funciona a LGPD

Essa lei de segurança de dados, que entrou em vigor em setembro de 2020, definiu os parâmetros sobre como as empresas devem tratar as informações fornecidas pelos seus clientes e usuários.

A LGPD dispõe sobre a forma de captação, armazenamento e gerenciamento das informações. E, além de definir os direitos e deveres dos cidadãos em relação aos seus dados, também estabelece punições para as companhias que descumprirem as regras.

Resumidamente, a lei de proteção de dados brasileira pode ser vista por três pontos principais:

Finalidade

Para um dado ser captado e armazenado por uma companhia é preciso estar claro para que ele será usado. As empresas devem deixar essa informação evidente para o consumidor e, se desejarem utilizar o mesmo dado para outro fim, devem solicitar uma nova autorização.

Consentimento

O segundo ponto é sobre a autorização do usuário para que o dado seja utilizado. Um caso simples é quando uma loja deseja enviar comunicações promocionais para o seu e-mail.

Ainda que você tenha fornecido o endereço eletrônico, é preciso consentir no uso dele para o envio das comunicações.

Minimização

Esse ponto diz respeito a quantidade de dados captados pelas empresas. É comum que alguns formulários de cadastros tenham diversos campos que não são necessários para aquela finalidade.

Nesses casos o preenchimento dessas informações deve ser opcional, e o você deve ter a possibilidade de escolher se vai ou não fornecê-las.

Assista | Como escapar de fraudes digitais

Quer saber mais sobre como se proteger de fraudes na internet? Assista o vídeo com dicas práticas.

O que fazer para garantir a segurança de dados na internet

Desde o anúncio que a LGPD entraria em vigor, a maior parte das empresas vem fazendo os ajustes necessários e implementando políticas de segurança para tratar os dados de seus clientes da forma correta.

No entanto, existem algumas formas de você mesmo garantir mais segurança digital. Para saber como manter a segurança de dados pessoais na internet e evitar cair em golpes, veja as dicas a seguir.

Faça backups

Fazer o backup do seu computador ou celular pode parecer uma tarefa chata, mas a verdade é que é muito importante. O backup é uma forma de guardar os dados dos seus aparelhos para que eles sejam recuperados posteriormente.

Assim, caso seja necessário trocar o aparelho, é possível ter em mãos todas as informações que você guardou.

Use senhas fortes e mude com frequência

Sabemos que hoje nós usamos senha para tudo que fazemos, mas é essencial ter códigos fortes e sempre diferentes.

Sim, o correto é nunca repetir aquela senha fácil de ser descoberta por quem te conhece e, se possível, alterar as chaves principais de tempos em tempos.

Se tiver que escolher só algumas para fazer isso, priorize as senhas de bancos, cartão de crédito e contas de e-mail e redes sociais.

Use autenticação de dois fatores

Essa é uma forma de proteger os dados de aplicativos e contas em sites. É possível habilitar a autenticação de dois fatores direto nos apps.

Assim, sempre que for acessar a conta, você receberá um código para garantir que o acesso é seguro.

Forneça apenas dados necessários

Seguindo a lógica da LGPD, fique atento aos dados solicitados quando for se cadastrar em sites ou fazer compras pela internet.

Forneça apenas as informações estritamente necessárias para aquela operação e evite enviar dados a mais.

Tenha certeza de que o site é confiável

Antes de realizar uma transação ou fornecer qualquer dado pessoal, verifique se o site que você está usando é confiável.

Para isso é possível buscar o nome da empresa nos mecanismos de busca e até acessar as redes sociais.

Você também pode observar se existe um cadeado fechado na barra de endereço do navegador. Esse símbolo garante que o site utiliza os protocolos de segurança necessários para sua proteção.

Com essas medidas é possível colaborar para que seus dados estejam seguros. Outra forma de garantir a proteção dos seus dados e de pessoas próximas é prestar atenção nas suas contas de redes sociais.

Leia também | Como saber se meu WhatsApp foi clonado

O que pode acontecer se seus dados vazarem?

O vazamento de dados pessoais como CPF, e-mail e endereço, por exemplo, pode trazer graves consequências para a vítima.

É comum criminosos utilizarem esses dados pessoais para realizar fraudes e golpes, como a contratação de empréstimos, serviços e, até mesmo, a realização de compras em nome da vítima. Há casos em que tentam inclusive fazer extorsão, solicitando dinheiro para não usarem ou publicarem os dados roubados.

Seja qual for a situação, ter os dados vazados pode gerar sérios problemas. Portanto, é fundamental acompanhar de perto a situação do seu CPF e estar alerta a qualquer atividade suspeita.

Uma forma de fazer isso é utilizar o Serasa Premium, uma ferramenta completa que permite o monitoramento de dados do seu CPF, além de enviar notificações em caso de dados vazados, o que ajuda a reduzir as chances de golpes e fraudes.