Entrar
Navegação do blog
  1. Blog
  2. Auxilio Estudantil

Auxílio estudantil: seis bolsas que ajudam a pagar as mensalidades

Conheça opções de bolsa de estudo para quem precisa de ajuda para terminar a faculdade.

Publicado em: 14 de maio de 2024

Categoria Educação financeiraTempo de leitura: 10 minutos

Texto de: Time Serasa

Cedula de cinquenta reais

Entrar em uma universidade particular não precisa ser um sonho impossível para quem tem o orçamento limitado. É para isso que serve o auxílio estudantil – ou as populares bolsas de estudo.

Existem diversas modalidades disponíveis para quem quer prosseguir os estudos, mas precisa de um empurrãozinho com o pagamento das altas mensalidades. 

Conheça seis opções de auxílio estudantil que ajudam nesse custeio.

Assista | Renegociação de dívidas do FIES

Seis tipos de auxílio estudantil para estudantes de universidade privada

O auxílio estudantil é o caminho para muita gente que deseja cursar uma universidade, mas não tem renda suficiente para se manter estudando. São diversos tipos disponíveis para ajudar pessoas de todas as classes sociais e diferentes perfis – cada um com suas próprias particularidades e características.

Confira as seis opções mais comuns, como procurar e como elas funcionam.

  1. Prouni

    Programa Universidade para Todos (Prouni) é o mais popular dos auxílios estudantis para quem ingressa em uma universidade particular. Não é difícil entender o motivo: ele oferece bolsas de estudos que possibilitam a estudantes de baixa renda a gratuidade em universidades privadas (descontos integrais de 100%) ou grandes descontos na mensalidade (descontos parciais de 50%).

    Para ser contemplado, é necessário:

    ● ter realizado uma das duas edições anteriores do Enem e obtido média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação;

    ● ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$2.118 por pessoa) para concorrer às bolsas integrais (que cobre 100% das mensalidades);

    ● ter renda familiar bruta mensal per capita de até três salários mínimos (R$4.236 por pessoa) para concorrer às bolsas parciais (que cobre 50% das mensalidades).

     

    Além disso, também é preciso atender a um dos seguintes critérios:

    ● ter cursado o Ensino Médio em escola da rede pública ou em escola privada com bolsa;

    ● ser pessoa com deficiência;

    ● ser professor da rede pública de ensino, exclusivamente para os cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da Educação Básica.

    Leia também | Como funciona ProUni e como conquistar uma bolsa

     

  2. FIES

    Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é outra opção bastante conhecida dos estudantes que querem ingressar em universidades privadas. A diferença para o Prouni, no entanto, é o propósito da bolsa: o FIES é um financiamento estudantil que faz o Governo Federal assumir as mensalidades, ou parte delas, sob a condição de devolução desse montante após a conclusão do curso.

    A quitação do financiamento, porém, é feita com condições facilitadas e taxa de juros significativamente menor que a de outros empréstimos do mercado.

    Leia também | Como funciona o FIES e quem tem direito

     

  3. Programas estaduais

    Assim como o Governo Federal, os estados também têm seus próprios programas de incentivo para oportunizar o acesso à educação superior e custear as mensalidades dos estudantes locais em instituições particulares. Em geral, o auxílio estudantil costuma ser muito parecido com os oferecidos pelo Governo Federal, com a diferença de que funcionam apenas no âmbito de cada estado.

    Assim, para conseguir uma bolsa, é preciso se informar sobre a existência desses programas e se inscrever nos períodos determinados nos editais de cada estado. Os critérios de acesso também se assemelham bastante aos programas federais, como a renda mensal da família e outros. 

     

  4. Programas internos das universidades privadas

    Além das opções públicas, a maioria das universidades particulares também oferece programas de auxílio estudantil. Nesses casos, não há uma padronização para todas as instituições: cada uma disponibiliza um edital com suas próprias regras e critérios de participação e seleção, que são definidos internamente e variam em cada instituição. 

    Para descobrir se a universidade pleiteada tem bolsas nesse sentido, é preciso pesquisar no próprio site da instituição ou procurar o setor financeiro ou de atendimento ao aluno e se informar. As bolsas mais comuns são:

    ● por mérito acadêmico, que se baseiam no desempenho do estudante ao longo dos semestres de aula;

    ● por necessidade financeira, que cobrem os custos de quem tem renda familiar baixa;

    ● de atividades esportivas ou artísticas, direcionadas a pessoas que se destacam em alguma modalidade esportiva ou artística;

    ● por indicação de ex-alunos.

     

  5. Bolsas de empresas privadas ou entidades de classe

    Muitas empresas costumam investir na qualificação profissional de seus colaboradores e, para isso, desenvolvem um programa interno de concessão de bolsas de estudo para cursos técnicos, profissionalizantes e até superiores. Em contrapartida, as empresas conseguem manter esses funcionários trabalhando de forma motivada e contínua. 

    Para saber se essa é uma opção na sua empresa, procure o RH e se informe. Quem não iniciou sua jornada profissional, é importante ficar atento às empresas que oferecem essa opção de auxílio estudantil.

     

  6. Bolsas de iniciação científica

    Outra opção de auxílio estudantil são as bolsas de iniciação científica, que muita gente pensa que beneficia apenas alunos de pós-graduação. Porém, quem está cursando a graduação também pode ser contemplado com auxílio financeiro em troca de um projeto de pesquisa desenvolvido em parceria com um professor orientador. Além do pagamento ou desconto na mensalidade, essas bolsas também servem como porta de entrada para a carreira acadêmica.

    Diversos órgãos de incentivo à pesquisa financiam bolsas de iniciação científica ou organizam editais. Por exemplo: 

    ● Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes);

    ● Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq);

    ● Fundações de Amparo à Pesquisa (Fapes), que existem em cada estado.

     

    Para conseguir o auxílio estudantil desse tipo, é preciso ter bom desempenho acadêmico, elaborar um plano de trabalho e se inscrever nos editais dos órgãos de fomento.

    Leia também | Bolsas CNPq: como funcionam e quanto pagam

    Leia também | Golpe da bolsa de estudo falsa: o que fazer para não cair?

Acesse o canal da Serasa no Youtube

O Serasa Ensina é o canal da Serasa no YouTube para ajudar a descomplicar sua vida financeira. Ele traz centenas de conteúdos para ajudar a cuidar do dinheiro, negociar dívidas, proteger-se contra fraudes, aumentar o Serasa Score, economizar na rotina e organizar as finanças. 

Compartilhe o artigo

Este artigo foi útil?

Escolha de 1 a 5 estrelas para avaliar

Artigos relacionados