Entrar

Cartão de crédito para menor de 18 anos: como usar com segurança

Cartão de crédito para menor de 18 anos é uma boa ideia? Confira algumas dicas para o uso seguro do cartão.

colunista Elaine Ortiz
Publicado em: 16 de dezembro de 2021.

Oferecer cartão de crédito para menor de 18 anos é possível e pode ser uma boa ideia para contribuir na educação financeira do seu filho. No entanto, é necessário tomar alguns cuidados para que o adolescente utilize o meio de pagamento de forma saudável, sem se endividar.

Neste conteúdo, separamos seis dicas valiosas para os pais ou responsáveis que pretendem oferecer um cartão de crédito a um menor. Quer saber mais? Continue a leitura!

Cartão de crédito para menor de 18 anos: risco ou necessidade?

Muitos pais ficam na dúvida sobre qual é a hora certa para disponibilizar um cartão de crédito para o filho adolescente. A verdade é que não existe uma regra, um padrão. A hora certa é o momento que a família entende que surgiu a necessidade e que o jovem já está pronto para começar a utilizar este meio de pagamento.

O principal ponto positivo do cartão de crédito para menor de 18 anos é incentivar desde cedo a responsabilidade financeira. Aprendendo na adolescência como se planejar e utilizar o cartão de forma correta, as chances de se tornar um adulto organizado financeiramente aumentam consideravelmente.

Por outro lado, o principal ponto negativo do cartão de crédito para menor de 18 anos é a necessidade de monitoramento constante dos hábitos de consumo dos jovens. Se os pais não tiverem tempo para acompanharem de perto, pode ocorrer uma falta de controle por parte do jovem – por inexperiência e falta de informação –, e ele pode acabar se endividando.

Este é, inclusive, um problema que cada vez mais atinge os jovens. Para se ter ideia, segundo o Mapa da Inadimplência no Brasil, estudo mais recente sobre endividamento realizado pela Serasa, dos 63 milhões de brasileiros inadimplentes, 12,4% são jovens de até 25 anos.

Portanto, antes de entregar um cartão de crédito para seu filho, é importante tomar algumas medidas, para que a experiência seja positiva e segura. Confira, abaixo, 6 dicas para oferecer cartão para menores de 18 anos.

6 dicas para oferecer um cartão de crédito para menor de 18 anos com segurança

Se você tomar alguns cuidados antes de oferecer ou permitir que seu adolescente tenha acesso a um cartão de crédito, a experiência pode ser muito positiva. Confira as dicas que separamos para você:

1. Ensine educação financeira desde a infância

Não é necessário esperar seu filho se tornar adolescente para falar sobre dinheiro com ele. Pelo contrário, a educação financeira deve fazer parte da vida das pessoas desde a infância, tanto que muitas escolas já estão incluindo o assunto no currículo como disciplina obrigatória.

Ainda na infância, quem tem condições, deve utilizar a mesada para ensinar de forma lúdica a importância da organização financeira e de poupar para conquistar objetivos. Isso incentiva a responsabilidade e alerta para o valor do dinheiro.

Cheques precisam ter fundos. Faturas de cartão de crédito precisam ser pagas. Não é tudo fácil, como pode parecer ao olhar infantil. Mas leva tempo para que as crianças compreendam que por trás de cada brinquedo, de cada roupa, de cada alimento, existe um esforço, um trabalho, para que a família tenha dinheiro e possa adquirir os produtos. Aos poucos, a conscientização vai surgindo e isso pode contribuir muito para que essa criança se torne um jovem e um adulto responsável com as finanças.

Existe também uma série de livros sobre educação financeira voltados para o público infantil, como por exemplo “Dinheiro compra tudo? – Educação financeira para crianças”, de Cássia D’Aquino (Editora Moderna, 2016).

Agora, se seu filho já cresceu e você nunca falou sobre finanças com ele, saiba que ainda não é tarde. Mas antes de colocar um cartão de crédito na mão dele, converse sobre o assunto, ensine como ele pode se organizar e cogite até mesmo oferecer algum curso online para jovens sobre educação financeira.

Leia também | Educação financeira infantil: como ensinar para os seus filhos?

2. Evidencie o problema das dívidas e da negativação do nome

A ideia é deixar claro ao jovem que gastar mais do que se ganha é um erro absoluto e que leva as pessoas ao endividamento e à negativação, o famoso “nome sujo”.

Para explicar para ele quais os impactos de ficar endividado e por que é importante estar com as contas sempre em dia, você pode consultar uma série de conteúdos do blog da Serasa que abordam o assunto, como por exemplo este aqui sobre como um score positivo faz diferença na sua vida financeira.

3. Incentive que ele obtenha renda além da mesada, com trabalhos leves, que não o afastem da rotina de estudos

Criança tem que estudar, não trabalhar, sabemos disso. Mas na adolescência o jovem já pode começar a procurar caminhos para ganhar uma renda extra além da mesada. Ensinar alguma matéria da escola para uma pessoa mais jovem, por exemplo, lavar o carro dos pais, vender algum item que produza no tempo livre. Tudo isso, além de incentivar o empreendedorismo, reforça o entendimento do valor do dinheiro.

4. Antes de entregar a ele o cartão de crédito, explique tudo sobre o funcionamento do meio de pagamento e acompanhe o uso

Muitos adultos não sabem ao certo como funciona o cartão de crédito. Imagina um adolescente? Por isso, antes de começar a utilizar o meio de pagamento, é fundamental que os pais expliquem toda a dinâmica do funcionamento do cartão.

Limite, taxa de juros, data de vencimento da fatura, o que é o rotativo do cartão de crédito, o que significa pagar o valor mínimo do cartão, o que é bandeira de cartão, por que ele deve evitar fazer muitas parcelas, porque ele nunca deve emprestar o cartão para os amigos, cuidados com compras online, a importância de conversar com os pais antes de fazer alguma compra de valor mais elevado e por aí vai.

No blog do Serasa eCred você tem material de apoio para dar este aulão para seu filho.

É imprescindível também que os responsáveis acompanhem as faturas do filho, para intervir quando necessário caso observe algum uso indevido ou exagero.

Leia também | Juros de cartão de crédito: 6 coisas que ninguém te conta

5. Não ofereça um cartão com limite alto e prefira conceder um cartão adicional ao seu

Como falamos no início deste artigo, o cartão de crédito para o menor de 18 anos pode ser muito positivo, principalmente como forma de treinamento para uma vida financeira mais controlada no futuro.

Mas, por precaução, é importante que os pais não permitam que o limite do cartão do filho seja muito alto. Afinal, caso ocorra algum “erro” na utilização do meio de pagamento, apesar de todas as conversas e ensinamentos prévios, o prejuízo não será muito alto e reverter o problema pode ser mais fácil e menos custoso.

Outra medida que pode ser muito válida é atrelar o cartão do seu filho ao seu, solicitando um cartão adicional à instituição financeira. Assim, fica mais fácil dos pais controlarem o comportamento financeiro do filho.

6. Em caso de dívidas, mostrar que um empréstimo é melhor do que utilizar o rotativo do cartão

Agora, se mesmo depois de todos esses cuidados seu filho ainda assim se enrolou e está endividado, use a situação para mostrar para ele que nunca, em hipótese alguma, ele deve utilizar o rotativo do cartão de crédito. Mostre os juros, pegue a calculadora, faça as contas. Ele com certeza ficará impressionado ao ver a bola de neve que a dívida do cartão produz rapidamente.

Existem alternativas muito mais vantajosas no mercado, linhas de empréstimo com juros bem mais baixos que o do cartão. É preciso ficar atento. Você pode, inclusive, contratar crédito para quitar a dívida por meio do Serasa eCred, serviço de crédito da Serasa. Trata-se de uma plataforma na qual você encontra ofertas de empréstimo e cartão de crédito com base no seu perfil financeiro e necessidades.

O buscador pesquisa, compara e recomenda, de uma só vez, as melhores opções de empréstimo, com as taxas mais interessantes. Depois, é só escolher o que preferir e solicitar na hora.

Com certeza, o melhor cartão de crédito para menor de 18 anos vai ser aquele que melhor se adequa à realidade da sua família. Avalie o que é importante, se seu filho já tem maturidade para utilizar o cartão e então defina se irá dar este passo neste momento ou não.

Leia também | Quais são os melhores cartões de crédito do mercado?

Ainda tem alguma dúvida sobre cartão de crédito para menor de 18 anos? Continue acompanhando as novidades do blog da Serasa para ter acesso a outros conteúdos sobre educação financeira.