Entrar

Juros rotativo ou crédito rotativo: entenda o que é e como funciona

Por Elaine Ortiz

Entenda o que é juros rotativo, por que ele pode prejudicar o seu orçamento e o que você deve fazer para não cair nessa armadilha financeira.

Você já deve ter ouvido falar sobre a importância de usar o cartão de crédito com cautela. E não é para menos: se não pagar as faturas em dia, você pode entrar no crédito rotativo (e no juros rotativo), que transforma qualquer dívida em uma bola de neve. Mas por que é tão importante entender sobre esse assunto?

Hoje, o juros rotativo ou crédito rotativo representa a modalidade de crédito com uma das taxas mais altas do mercado — em média, 335,8% ao ano, de acordo com o Banco Central. Para comparação, a média registrada para os empréstimos pessoais é de 41,3% ao ano (setembro/2021).

Entender o que é juros de crédito rotativo, como funciona e as consequências do seu uso para o orçamento é uma forma de aprender a organizar as contas e fugir dessa modalidade de crédito cara. Quer aprender mais sobre o assunto? Continue a leitura!

O que é juros rotativo? E o que é crédito rotativo?

Na prática, o crédito disponível no seu cartão de crédito (ou o seu “limite”) nada mais é do que um empréstimo oferecido pelo banco ou instituição financeira. Ao longo do mês, você pode usar esse valor para fazer compras à vontade, mas ele deve ser pago até a data de vencimento da fatura.

Se por algum motivo você não conseguir pagar o valor total da fatura, o banco pode te oferecer mais uma “oportunidade”. Ele passa esse débito para a fatura do mês seguinte e cobra juros rotativo sobre este valor. A operação é chamada de crédito rotativo.

Leia também | Fatura do cartão de crédito: como controlar os gastos?

Qual é o valor do juros rotativo?

O juros rotativo varia mensalmente, mas sempre continua entre os mais altos do mercado: segundo o Banco Central, em setembro deste ano, a média dos juros do rotativo era de 335,8% ao ano.

E como funciona o crédito rotativo?

Em abril de 2017, o Banco Central estabeleceu novas regras para os juros de crédito rotativo. Vamos explicar como era e o que mudou.

Até esse período, os bancos e instituições financeiras tinham autorização para oferecer cartão de crédito rotativo de maneira ilimitada. Então, as pessoas entravam no rotativo do cartão e muitas vezes também não conseguiam pagar a fatura do mês seguinte, já que, com os juros altos, a dívida crescia de maneira desenfreada.

Nessa dinâmica, muita gente estava se endividando e o governo mudou as regras. De lá para cá, os clientes ainda podem usar o crédito rotativo, mas só por 30 dias.

Se ele não conseguir pagar o valor total da fatura do mês seguinte, que inclui o crédito rotativo, a instituição financeira deve passar essa dívida para alguma opção mais vantajosa ao cliente – como o crédito parcelado e outras modalidades de empréstimo pessoal que têm juros menores.

Como funciona o parcelamento do cartão de crédito rotativo?

Normalmente, as instituições financeiras informam no contrato que podem parcelar automaticamente o saldo do crédito rotativo, mas com juros menores do que os do cartão de crédito rotativo.

No entanto, se você não concordar com essa condição, pode pedir o cancelamento das cláusulas do contrato referentes a parcelamentos automáticos. Por isso, antes de abrir uma conta ou contratar qualquer serviço financeiro, fique atento aos contratos para conhecer os seus direitos.

Outro ponto importante é que a instituição financeira deve incluir tudo de forma clara e detalhada na fatura do cartão: o valor da parcela original, os juros cobrados e qualquer outra informação relevante para que o cliente saiba o que está pagando.

De acordo com o Banco Central, ao cair no juros rotativo, o cliente pode aceitar as opções de empréstimo oferecidas pela instituição ou negociar as condições com a empresa, se preferir. Vale lembrar que os bancos não são obrigados a parcelar o saldo do cartão de crédito rotativo, mas precisam oferecer condições de pagamento melhores que as do crédito rotativo – incluindo juros mais baixos.

Não paguei o crédito rotativo. O que pode acontecer?

Se o cliente entrar no crédito rotativo, não conseguir pagar a dívida no fechamento da fatura seguinte e não aceitar nenhuma outra forma de parcelamento do valor devido, ficará inadimplente – o que, entre outras consequências, dificulta o seu acesso a outras modalidades de crédito enquanto a dívida não for negociada.

Leia também | Como fazer acordo para limpar o nome pela Internet?

Como fugir do juros rotativo?

Para não cair no crédito rotativo, é fundamental manter o controle sobre suas finanças.

Um dos grandes problemas do cartão de crédito começa quando o usuário confunde limite disponível com saldo em conta. Lembre-se sempre que o valor liberado no cartão para você é uma espécie de empréstimo e não reflete necessariamente a sua possibilidade de pagamento. Por isso, em vez de considerar o valor do limite disponível, avalie sua receita e despesas para saber quanto você realmente pode gastar por mês com o cartão de crédito.

Outro cuidado importante é encarar o cartão como um meio de pagamento, e não como uma despesa qualquer. Vamos explicar melhor.

Muita gente tenta registrar os gastos para controlar o orçamento e coloca o valor da fatura do cartão de crédito no meio de despesas como água, luz, telefone e aluguel. Se você anota apenas que gastou R$ 500,00 de cartão de crédito, por exemplo, não consegue visualizar as categorias de compras que realmente estão por trás deste número.

Ao destrinchar esse valor e olhar para a fatura com mais cuidado, você possivelmente vai enxergar oportunidades de redução de custos e ajustar as contas aos seus ganhos para não cair no juros rotativo.

Por fim, mais uma dica: grande parte das instituições financeiras já oferece a possibilidade de reduzir o limite do seu cartão de crédito online. Esse recurso pode ser interessante para quem precisa de uma ajuda extra para controlar os gastos.

No Serasa eCred, você pode fazer simulações gratuitas quantas vezes quiser e encontrar dezenas de opções de cartões de crédito com limite personalizado, de acordo com a sua renda e perfil. A plataforma recomenda as melhores ofertas para você e, se gostar de alguma, é só fazer a solicitação na hora. Acesse o Serasa eCred agora mesmo e confira as opções disponíveis.

serasaecred.com.br pertence e é operado pela Serasa S. A., uma sociedade anônima sob o CNPJ/MF 62.173.620/0104-95, com domicílio na Rua Dr. Léo de Carvalho, 74 – Sala 1105 – Bairro Velha – Blumenau-SC – CEP 89036-239. A Serasa S.A. não é instituição financeira. Somos um correspondente bancário das instituições: BANCO CBSS S/A – CNPJ: 27.098.060/0001-45, Banco Votorantim S.A. – CNPJ/ME: 59.588.111/0001-03, Banco Pan S.A. – CNPJ: 59.285.411/0001-13, Finamax S./A. – Crédito, financiamento e investimento – CNPJ: 00.411.939/0001-49 e possuímos uma plataforma online (“Serasa eCred”) que facilita o acesso de clientes a produtos e serviços ofertados por instituições financeiras parceiras e credenciadas na plataforma.

Os correspondentes bancários são empresas contratadas por instituições financeiras e demais instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil para a prestação de serviços de atendimento aos clientes e usuários dessas instituições. A atividade de correspondente bancário é regulada pelo Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. Prazo de pagamento: varia de acordo com a Instituição Financeira escolhida, podendo ser entre 3 e 60 meses. Custo Efetivo Total (CET): varia de acordo com a Instituição Financeira escolhida, podendo ser entre 26,76% e 605,85% a.a. Exemplo: Empréstimo de R$5.000,00. Taxa de juros: 3,23% a.m. A pagar em 18 parcelas mensais de R$380,55. Total a pagar: R$6.849,90. IOF incluso: R$134,00. Tarifa: R$0. CET: 52,80% a.a.

O Serasa eCred tem como compromisso a transparência com nossos clientes. Antes de iniciar o preenchimento de uma proposta, serão exibidos de forma clara: a taxa de juros utilizada, tarifas aplicáveis, número de parcelas, impostos (IOF) e o custo efetivo total (CET). Nossa central de atendimento está disponível para esclarecimento de dúvidas sobre quaisquer dos valores apresentados. Serasa Consumidor informa: o Serasa eCred é uma plataforma de comparação de ofertas de crédito 100% gratuita para consumidores.

Não realizamos nenhum tipo de cobrança para apresentar a você as propostas de crédito dos nossos parceiros. Caso receba alguma cobrança, não faça nenhum depósito ou pagamento, e entre em contato com o nosso time de atendimento.