Entrar

Lista de Compras no supermercado: como fazer uma à prova de falhas

Para não extrapolar o orçamento e evitar sustos na hora da conta no supermercado, a saída é elaborar a boa e velha lista de compras

colunista Fabiana Ramos
Publicado em: 29 de abril de 2022.

Eu sei, eu sei. Parece até que voltamos a um passado nem muito distante assim… quem tem mais de 40 anos pode estar vivendo atualmente uma sensação de déja vu ao ir ao supermercado e sentir a tão temida remarcação constante no preço dos produtos. Ir à feira, a uma mercearia ou uma quitanda sem possuir uma lista de compras é algo inimaginável nos dias de hoje.

Infelizmente, o fantasma da inflação voltou. Ela está aí, mostrando a que veio: nosso dinheiro compra cada vez menos coisas. Alta da gasolina, do gás de cozinha, do aluguel, dos alimentos, dos produtos de limpeza… tudo está mais caro. Com isso, precisamos aprender a economizar no dia a dia.

Afinal, se não podemos lutar contra, precisamos de estratégias que nos ajudem a enfrentar a situação, e a lista de compras é uma aliada na hora de encaramos o supermercado. Confira agora oito dicas que vão te ensinar como fazer uma lista de compras sem falhas!

1. Conferir em casa o que ainda tem na despensa e o que está faltando

Antes de ir ao supermercado, é preciso fazer um check up na sua despensa, na geladeira e no freezer. Pode ser que no início dê um pouco mais de trabalho, mas essa preparação é fundamental para que você não gaste dinheiro com aquilo que já tem em casa e não deixe de comprar aquilo de que realmente precisa.

É a hora também de verificar se está tudo dentro do prazo de validade (serve, inclusive, para os produtos de higiene) e em boas condições de uso.

2. Elabore cardápios semanais

Uma das maneiras mais fáceis de seguir exatamente o que tem na sua lista de compras de supermercado é saber, de antemão, quais refeições serão feitas e quais ingredientes serão necessários.

Quando não sabemos o que vamos preparar, as compras no supermercado são feitas de maneira aleatória, e, consequentemente, os gastos serão maiores.

E mais: os cardápios podem ser elaborados com aquilo que já temos em casa, evitando, assim, o desperdício dos alimentos.

3. Anotar o que for acabando

Na minha casa, temos uma regra: todas as vezes que um alimento ou um produto de limpeza acabar (ou já estiver no fim), é preciso anotar na lista de compras que fica presa por um ímã na porta da geladeira. Acabou, anotou.

Essa é a lista que eu utilizo para as compras da próxima semana. O que estiver nela, será comprado. O que não estiver, será comprado apenas na semana seguinte (se estiver na lista, é claro).

4. Estabeleça um dia da semana para as compras

Na verdade, o ideal é fazer as compras on-line. Sabe aquele ditado: “o que os olhos não veem, o coração não sente”? Pois é. Funciona para compras também. Se puder, faça suas compras pela internet e evite as tentações de ver e sentir aquelas maravilhas que encontramos pelas prateleiras e gôndolas das lojas.

Se não for possível, estabeleça um dia da semana para poder ir ao supermercado. Compre o que estiver na sua lista e, caso algum item tenha sido esquecido, substitua por algum outro produto que tenha em casa, ou tente sobreviver sem ele durante aquela semana.

Essa tática ajuda a família a colaborar com a lista, anotando os itens que precisam ser comprados.

Além do mais, quanto mais vezes você for ao supermercado, mais você gasta. Sempre haverá um produto ou outro que será comprado a mais, sem a real necessidade.

5. Não ir ao supermercado com fome

Essa é clássica! Ir ao supermercado com fome significa produtos a mais no seu carrinho de compras que não estavam na sua lista. E mais: produtos nada nutritivos e cheios de calorias.

Dica: vá ao supermercado logo após tomar alguma refeição.

6. Não leve as crianças

Dependendo da idade das suas crianças, evite levá-las junto com você na hora das compras. Elas vão querer levar de tudo e mais um pouco, e claro, vão querer produtos de fora da sua lista.

E mais: os supermercados sabem que as crianças têm um alto poder de influência sobre os pais. E, em razão disso, tendo em mente que o que chama a atenção dos pequenos são os doces e os salgadinhos, em especial aqueles com embalagens coloridas e bem ilustradas, eles organizam esses produtos no campo de visão delas, nas prateleiras mais baixas, de forma que a criançada tenha acesso às mercadorias.

7. Faça listas em conjunto

É claro que cada família possui um padrão de consumo, mas é certo também que existem mercadorias que são de uso comum. Produtos não perecíveis, como itens de limpeza, de higiene e alguns alimentos são encontrados na casa de todos.

Se na sua região tiver um mercado que venda por atacado, seria interessante se juntar com alguns familiares ou amigos para fazerem as compras em conjunto. Elaborem uma lista e alguém se responsabiliza para ir fazer a compra (podem até organizar uma espécie de rodízio). Posteriormente, vocês dividem as contas e os gastos.

Hoje em dia, existem aplicativos que calculam a divisão das compras, como o Evenfy, por exemplo.

8. Estabeleça um teto de gastos

Ao elaborar um orçamento mensal, não se esqueça de estipular um teto de gastos para a categoria de alimentação.

Por exemplo: se você gasta em torno de R$ 1.000 por mês em supermercado, dívida esse orçamento para 4 semanas. Então, o seu teto de gastos semanal é de R$ 250.

Eu sei que, com a mudança constante de preços, pode ser desafiador permanecer nesse teto durante muito tempo, mas é possível também estabelecer novas táticas.

Procure substituir alguns produtos. Eu sei que muitas pessoas têm preconceito com as opções das marcas dos próprios supermercados, mas eu te encorajo a experimentar! Além se serem mais baratas, existem alternativas excelentes que, mesmo não sendo de marcas conhecidas, costumam surpreender positivamente os consumidores.

E perceba que, com a economia que conseguimos fazer aqui e ali, mais dinheiro estará disponível para que possamos cumprir com aqueles compromissos que ficaram para trás. Quem sabe não é a hora de negociar aquela dívida antiga que você não conseguiu pagar? Com a Serasa Limpa Nome, você pode negociar dívidas em até 12 vezes e conseguir descontos de até 90%, sabia?

A questão é saber otimizar os gastos para não extrapolar o orçamento. Aliás, equilibrar o orçamento é fundamental na hora de elaborar um bom planejamento familiar, que é a ferramenta ideal que te ajudará a desenvolver inteligência financeira, para que você consiga, junto da sua família, alcançar os objetivos que são importantes para vocês.

Assista | Orçamento Familiar: como ajustar o seu e economizar?