Entrar

Precisa quitar dívidas? Use o saque emergencial FGTS de até R$1.000

Descubra como quitar dívidas. Confira o passo a passo que preparamos para te ajudar.

colunista Fabiana Ramos
Publicado em: 18 de março de 2022.

Os brasileiros estão cada vez mais endividados. De acordo com o Mapa da Inadimplência, o levantamento mais recente sobre o tema realizado pela Serasa, em outubro de 2021 o número de consumidores negativados no país ultrapassou a marca de 63 milhões. Para muitas dessas pessoas, vêm as dúvidas: como quitar dívidas?

Confira o calendário detalhado com a data do seu pagamento.

Aproveite esse valor para quitar dívidas e coloque sua vida financeira em dia. Acesse o Serasa Limpa Nome e confira as ofertas disponíveis.

Use o novo saque emergencial do FGTS para quitar dívidas

O governo federal divulgou a informação da liberação do saque de até R$ 1 mil por trabalhador que tenha saldo disponível nas contas ativas ou inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Fez empréstimo de R$1.000 na Caixa? Então quite suas dívidas

Aproveite essa oportunidade para limpar seu nome.

A Caixa está oferecendo empréstimo para negativados e MEI. É a sua chance de quitar aquela dívida e voltar a ter crédito no mercado. Acesse Serasa Limpa Nome e confira as ofertas de negociação de dívidas em até 12x com descontos de até 90%.

Inadimplente ou endividado?

Antes disso, é preciso fazer uma diferenciação: nem todo aquele que possui uma dívida é um inadimplente. Estar endividado significa possuir parcelas a vencer de compras e/ou empréstimos, enquanto a inadimplência é uma consequência do endividamento descontrolado, pois a pessoa não consegue cumprir com seu compromisso financeiro.

É claro que a pandemia e os impactos gerados por ela na economia contribuíram para o dos índices de endividamento e inadimplência, mas eles não são os únicos culpados.

Muito antes de o coronavírus ter causado todos os estragos que, infelizmente, ainda estamos testemunhando, o comportamento do brasileiro já era de muita dependência do crédito – e nem sempre de qualidade.

E sem um planejamento financeiro, com a falta de controle do orçamento, as pessoas acabam gastando mais do que têm disponível, não planejam os custos, usam o cartão de crédito de forma desenfreada deixando de pagar a fatura integral no final do mês, entre outras situações. Tudo isso resulta em um grave problema: a inadimplência.

Então, antes que as dívidas se acumulem e os juros se transformem em uma grande bola de neve, saiba que existem medidas práticas para você sair dessa situação e gerenciar o seu orçamento com mais discernimento.

Como quitar dívidas: por onde começar?

Antes mesmo de entrar na questão das dívidas propriamente ditas, você precisa ter consciência da sua renda e de todos os seus gastos.

Comece por colocar as suas fontes de renda e as suas despesas em um papel, em uma planilha ou até mesmo em um aplicativo financeiro. É importante que você entenda qual é o seu padrão de gastos e a forma como lida com o seu dinheiro.

Ao analisar o dinheiro que entra e que sai, é bem provável que você comece a enxergar alguns “ralos” por onde o seu dinheiro está escapando, sendo possível corrigir o problema.

Estipule meta de gastos para cada categoria

Depois de colocar tudo no papel (ou planilha ou aplicativo), estabeleça um valor máximo de gastos por categoria do seu orçamento. De acordo com a sua renda, crie um teto do valor que pode ser gasto com moradia, com alimentação, com educação, saúde, lazer, despesas pessoais e com todos os demais itens que compõem o seu orçamento.

É claro que no início alguns ajustes precisarão ser feitos, mas à medida que você se compromete com a meta de gastos estabelecida, mais rápido você conseguirá se adaptar à nova rotina.

Identifique a sua capacidade de pagamento mensal

Depois dos gastos estarem ajustados à quantidade de dinheiro que você recebe mensalmente, idenfique no seu orçamento um valor para o pagamento das dívidas. De quanto você pode dispor por mês para a quitação das suas obrigações?

É muito importante que o orçamento já esteja bem ajustado para que você não se comprometa com um valor que você não vai conseguir honrar mais para frente. A grande maioria dos refinanciamentos de dívidas ocorre justamente porque o devedor não conhece o seu padrão de gastos e não tem noção da quantia de que ele pode dispor por mês.

Liste todas as suas dívidas

Em uma folha, relacione todas as dívidas que você possui. Essa lista deve conter o nome do credor, o valor original da dívida, o CET (custo efetivo total, que inclui a taxa de juros, os seguros, o IOF e demais despesas do contrato), quantas parcelas faltam pagar, há quanto tempo estão em atraso e qualquer outra informação que for considerada necessária.

Neste vídeo do Serasa Ensina, você pode entender melhor como calcular o CET e por que é importante considerar esse percentual na hora de mapear suas dívidas

Analise o tipo de dívida e estabeleça uma ordem para o pagamento

Uma das dúvidas mais comuns entre as pessoas que estão com contas em atraso é saber quais delas devem ser pagas primeiro.

As dívidas principais são aquelas que dizem respeito a algum serviço essencial que não pode ser cortado, como conta de luz, de água ou de gás. Por mais que não sejam as mais caras, elas devem figurar no topo da lista de pagamentos justamente por serem consideradas essenciais.

Em segundo lugar, deve-se pagar as dívidas que estão atreladas a algum bem que pode ser perdido pela falta de pagamento, como o financiamento de um carro, por exemplo, ou um empréstimo onde foi oferecido algum bem em garantia.

Posteriormente, entram na fila para pagamento as dívidas mais caras. E dívida mais cara não é, necessariamente, a dívida de maior valor, ou a dívida mais longa, mas sim a dívida que possui o maior valor de CET (custo efetivo total), que é a porcentagem que aparece na hora que você pede dinheiro emprestado a uma instituição financeira.

Então, uma dívida que possui um CET 5% e uma taxa de juros de 4% é mais cara do que uma dívida que possui um CET de 4% e uma taxa de juros de 6%. Apesar da taxa de juros desta segunda ser maior, a primeira possui um CET mais barato.

Geralmente, essas são as dívidas com cartão de crédito e cheque especial, que sempre foram consideradas as mais caras.

E, por último, entram todas as demais dívidas, como crediários de lojas e demais empréstimos.

Negocie com os credores

Depois de identificar o tamanho da dívida e do quanto você pode dispor mensalmente, fica mais fácil negociar débitos antigos e mais caros com as empresas credoras.

Uma das formas de se conseguir bons descontos no pagamento dos débitos é conferindo as ofertas do Serasa Limpa Nome, a maior plataforma de renegociação de dívidas do país. Por lá, você pode encontrar descontos de até 99% para quitar sua dívida com dezenas de empresas parceiras da Serasa.

Mude seus hábitos

Porém, para nunca mais entrar em dívidas novamente, é imprescindível que você passe a controlar os seus gastos e mude os seus hábitos de consumo. Fazer um planejamento financeiro pessoal vai te ajudar a lidar melhor com as suas finanças, a suportar imprevistos sem se descapitalizar e poder guardar dinheiro para atingir os seus objetivos.