Entrar

Saiba quanto é a parcela do FIES depois de formado

Uma das principais dúvidas dos estudantes que foram beneficiados pelo programa governamental é saber quanto é a parcela do FIES depois de formado

colunista Fabiana Ramos
Publicado em: 04 de agosto de 2022.

Financiou a faculdade e agora quer saber quanto é a parcela do FIES depois de formado? Neste artigo, nós vamos te ensinar tudo sobre este assunto.

O FIES (Fundo de Financiamento Estudantil) é um dos programas do governo brasileiro que foi criado em substituição ao antigo Crédito Educativo, que também tinha como objetivo possibilitar o acesso do estudante de baixa renda à educação de nível superior. O FIES oferece a possibilidade de financiar cursos em universidades privadas do país quando o estudante não tem condições de arcar com os custos da formação.

O programa assegura ao estudante a quitação das mensalidades durante todo o período da faculdade. É um programa voltado para pessoas de baixa renda, destinado a quem tem renda familiar entre 1 e 5 salários mínimos por pessoa.

No entanto, mesmo com um amplo prazo para a quitação do financiamento, muitos acabam se endividando com o FIES por não conseguirem pagá-lo depois de formados, sendo esta uma das grandes preocupações de quem já está no programa ou de quem esteja pensando em ingressar nele.

Como saber quanto é a parcela do FIES depois de formado?

O estudante beneficiado pelo FIES que se formou até o ano de 2017 teve 18 meses de prazo de carência para começar a quitar o seu financiamento. Já para os contratos firmados a partir de 2018, o prazo para o início da quitação da dívida se dá logo após a formatura na conclusão do curso.

Para saber o valor do saldo devedor e o valor da parcela depois de formado é necessário que o estudante tenha acesso ao SisFies, um sistema online que concentra todas as informações do financiamento estudantil, inclusive oferecendo um extrato com o valor da dívida principal, dos juros cobrados (caso seja o caso), do seguro de vida e demais informações sobre o processo.

O valor da parcela não é uniforme para todas as pessoas: depende de uma série de fatores, como valor da mensalidade, duração do curso, percentual que foi financiado (se 50%, 75% ou 100%). Depende também da renda do estudante. O fato é que o valor da parcela não pode ser maior do que 10% de sua renda.

A boa notícia é que, a depender do caso, o estudante tem o prazo de até 14 anos para quitar o FIES.

Assista | Renegociação de dívidas do FIES - Serasa Ensina

Como é a forma de pagamento?

A forma de pagamento também é condicionada à situação do estudante:

Se o estudante for assalariado e trabalhar pelo regime da CLT (com carteira assinada), ou se for funcionário público, o valor da parcela do FIES será descontado diretamente do seu salário. Ou seja, o salário já chegará às suas mãos descontado do valor pago mensalmente ao financiamento.

Por exemplo, se o estudante é servidor público e tem uma renda mensal líquida de R$ 3.000, não poderá pagar mais do que R$ 300 de parcela do FIES. Supondo que este seja o valor descontado, receberá mensalmente o salário de R$ 2.700.

Se o estudante for autônomo, ele deverá pagar o seu financiamento por boleto bancário.

Caso seja empreendedor e não possua vínculo empregatício, tendo empresa aberta em seu nome, a cobrança da parcela do FIES poderá incidir sobre o faturamento da empresa, por meio do eSocial.

E, por último, se o estudante não possuir renda, ele deverá arcar com o pagamento mensal mínimo, que corresponde ao mesmo valor da taxa de co-participação que foi paga a cada 3 meses quando estava estudando (valor de R$ 150).

O que acontece se as parcelas do FIES não forem pagas?

Como acontece com qualquer outro tipo de dívida não paga, caso haja inadimplemento junto ao FIES, haverá também a inscrição do nome do estudante junto aos cadastros restritivos de crédito.

Estar com o nome negativado prejudica a pessoa que deseja abrir uma conta no banco, ou que queira adquirir um cartão de crédito ou mesmo conseguir um financiamento de veículo ou casa própria, por exemplo.

O estudante pode ter também o nome incluído no CADIN (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal), o que também atrapalha a pessoa frente às demais oportunidades de programas públicos, enquanto a dívida não for quitada.

Como negociar dívidas no FIES

Muitas dúvidas surgem quando a pessoa se torna inadimplente com o programa do FIES, e caso você possua dívidas em atraso, saiba que é possível negociá-las juntamente ao Banco do Brasil ou à Caixa Econômica Federal, com descontos que podem chegar à 92%.

O prazo para renegociação foi aberto em 07 de março de 2022, seguindo até o dia 31 de agosto do mesmo ano.

O seu saldo devedor será aquele referente ao que o programa pagou por todas as mensalidades da sua graduação, acrescidos de juros, taxas de co-participação (caso não tenham sido saldadas durante o período de estudo) e demais encargos eventualmente cobrados.

Assim que o estudante se forma, esse saldo devedor fica disponível no Portal SisFies.

Como é feita a renegociação?

A renegociação está sendo possibilitada aos estudantes que formalizaram contrato de financiamento até 2017 e estão com mais de 90 dias de atraso no pagamento das parcelas.

Dívidas com atraso superior a 90 dias:

• À vista: desconto de 12% da totalidade da dívida (valor principal + encarogos);
• Parcelado: pagamento em até 150 parcelas mensais e sucessivas, com redução de 100% de juros e multas.

Dívidas com atraso superior a 360 dias:
• Para quem é inscrito no CadÚnico ou que tenha recebido auxílio emergencial em 2021: desconto de até 92% para o pagamento total do saldo devedor (pode ser pago à vista ou em até 10 parcelas corrigidas pela taxa Selic);
• Demais casos: desconto de até 86,5% no valor da dívida para o pagamento integral do saldo devedor.

A dívida do FIES não pode ser negociada pelo Serasa Limpa Nome, mas existem vários outros tipos de débitos que podem ser pagos pela nossa plataforma com até 90% de desconto. Saiba mais!

Planejamento Financeiro

A melhor forma de organizar as finanças é através do planejamento. Antes mesmo de se decidir por um financiamento, seja ele estudantil ou não, é preciso saber se existe condição financeira para assumi-lo quando chegar o tempo de começar a pagá-lo.

E para haver planejamento financeiro, o estudante precisa ser, em primeiro lugar, educado financeiramente. A Serasa entende que a educação financeira é condição essencial para que todos possam aprender a lidar com o dinheiro, evitando os sufocos que a falta dele trazem à nossa vida quando não há organização.

Assista | PLANEJAMENTO FINANCEIRO 2022 - AUTOCONHECIMENTO com Veridiana Lopes

E hoje existe tanto conteúdo na internet, e mais, de forma gratuita, que só não aprende quem não quer! Compartilhe esse artigo com seus amigos e vamos democratizar a educação financeira no país!