Entrar

Amortização de financiamentos: tudo o que você precisa saber

Tire suas dúvidas sobre amortização de financiamentos, como fazer e quando essa opção realmente vale a pena para o seu bolso.

Foto elaine ortiz
Publicado em: 27 de janeiro de 2022.

Apesar das facilidades de financiar um bem, muitos consumidores têm dúvidas sobre o assunto. Um exemplo é a questão da amortização do financiamento. Quer saber como funciona essa prática? Neste artigo, vamos trazer mais detalhes sobre o assunto. Continue a leitura!

Amortização de financiamentos: o que é isso?

Amortizar é o mesmo que reduzir uma dívida, ou seja, abater parte dela em parcelas ao longo do tempo. No caso de um financiamento, a lógica é a mesma.

Vamos supor que você tenha um financiamento em aberto e que deve ser quitado em 30 parcelas. Todo mês, ao pagar essas prestações, você está amortizando a sua dívida, ou seja, reduzindo o valor total dela.

E como funciona?

Como vimos, a amortização ocorre sempre que você paga uma parcela, mas existem diversas formas de amortizar uma dívida. No mercado, há dois principais sistemas de amortização:

● Amortização SAC

Algumas instituições financeiras adotam o sistema de amortização da Tabela SAC.

Nesse modelo as parcelas sofrem reajuste e vão diminuindo com o passar do tempo. Assim, a primeira parcela é a mais cara, enquanto a última é a mais barata.

● Amortização Price

Nesse sistema, as parcelas têm o mesmo valor durante todo o prazo de duração do financiamento.

Quando é possível amortizar financiamento?

Você já viu que a amortização do financiamento ocorre todas as vezes que você faz o pagamento de uma parcela, certo? Essa é a amortização tradicional.

Mas, além dos pagamentos mensais regulares, muitos financiamentos permitem a amortização por meio da antecipação de parcelas. Assim, o contratante consegue diminuir o prazo de pagamento do saldo devedor ao pagar mais de uma parcela por mês.

Quais são as vantagens de amortizar um financiamento?

Depois de descobrir o que é amortização do financiamento e como essa prática funciona, chegou a hora de conhecer as vantagens que ela oferece.

● Reduz o saldo devedor

Sem dúvida, a principal vantagem da amortização do financiamento é diminuir o valor total da sua dívida de forma mais rápida.

● Diminui juros e encargos

Quando você se planeja para antecipar parcelas, tem direito ao abatimento de juros e encargos. Na prática, isso representa mais economia. Vale lembrar que, quanto mais distante estiver o vencimento da parcela que você está antecipando, maior será o desconto. Por isso, é sempre recomendado antecipar as últimas parcelas do financiamento.

● Reduz o tempo de pagamento

Outra grande vantagem da amortização é poder quitar o seu financiamento em um tempo menor e se livrar da dívida o mais rápido possível.

Quando é interessante fazer uma amortização?

Apesar das vantagens, fazer uma amortização de financiamento requer planejamento para não entrar em aperto. Você precisa escolher o momento certo para isso e sempre avaliar suas condições financeiras.

Ao receber o décimo terceiro salário ou sair de férias, receber um bônus ou conseguir fazer uma renda extra, se não tiver outras pendências financeiras e já tiver uma reserva de

emergência estruturada, usar o valor recebido para antecipar o pagamento de algumas parcelas pode ser uma opção.

Como calcular a amortização do financiamento?

Como já mencionamos, há dois principais sistemas de amortização utilizados no mercado: a Tabela price e a Tabela SAC. Vamos ver como a amortização é calculada em cada uma dessas modalidades:

● Tabela Price

Nessa modalidade as parcelas têm um valor fixo, então, cada prestação é calculada a partir de uma cota de amortização dos juros, que vai reduzindo com o passar do tempo, de acordo com uma Taxa Referencial (TR).

Na amortização pelo sistema da Tabela Price, a primeira parcela tende a amortizar uma quantia maior dos juros e uma quantia menor do saldo original da dívida. Conforme o tempo vai passando e os pagamentos são feitos, essa lógica se inverte e o valor correspondente ao pagamento dos juros diminui, enquanto o valor do saldo da dívida aumenta — apesar de o valor final pago mensalmente ser sempre o mesmo.

Vamos supor que você fez um financiamento de um carro no valor de R$ 50.000 e deseja pagar em 60 meses. A taxa de juros do financiamento é de 1,5% ao mês. Neste caso, o valor de cada parcela será de R$1.269,67.

Porém, na primeira parcela, desse valor, quase 60% serão juros, enquanto cerca de 40% se referem à amortização do valor original financiado (R$50.000,00). Já na última parcela, do valor total dela, apenas menos de 2% corresponderá aos juros, enquanto os outros 98% amortizam a dívida original.

● Tabela SAC

Na Tabela SAC (que significa “Sistema de Amortização Constante”) os valores das parcelas do financiamento variam: começam mais altos e vão caindo com o passar do tempo.

Nesse sistema é aplicado um percentual de amortização fixo, somado aos juros do financiamento. Então, o valor da parcela fica assim:

Valor da parcela = percentual fixo de amortização + juros.

Vamos a mais um exemplo: você quer financiar um imóvel valor de R$ 300 mil em 120 meses com uma taxa de juros de 1,5% ao mês. Nesse caso, o primeiro cálculo a se fazer é saber quanto será amortizado da dívida todos os meses. Então, é preciso dividir R$ 300 mil por 120, o que corresponde a R$ 2.500. Esse é o percentual de amortização.

Então, se não houvesse juros nesse financiamento e você pagasse R$ 2.500 durante 120 meses, já quitaria a dívida. Mas é preciso considerar, também, os juros.

No exemplo que demos, a taxa de juros aplicada é de 1,5% ao mês, então é preciso que você a calcule em reais. Para isso, basta multiplicar R$ 300 mil por 1,5%. Então, você chegará ao total de R$ 4.500 de juros.

Por fim, como o valor da parcela é a soma do percentual de amortização mais os juros, a primeira parcela do financiamento seria R$ 2.500 mais R$ 4.500, ou seja, R$ 7.000.

Vale lembrar que, na Tabela SAC, as parcelas vão diminuindo conforme o tempo vai passando e elas vão sendo pagas. No exemplo que demos, a segunda parcela do financiamento seria menor que R$ 7.000,00 pois o cálculo dos juros não considera mais o valor total da dívida, mas apenas o que restou após a amortização da primeira parcela.

Então, considerando R$ 300.000 menos os R$ 2.500 (valor amortizado na primeira parcela), chegamos o resultado é R$297.500. Para calcular a segunda parcela, basta multiplicar R$ 297.500 por 1,5% — o que dá R$ 4.462,50 — e somar com R$2.500. Assim, sabemos que a segunda parcela será de R$ 6.962,50.

Deu para perceber que a amortização do financiamento é uma prática bastante positiva do ponto de vista da organização e saúde financeira, né? As diferentes vantagens que destacamos serviram para explicar como você pode se beneficiar com a antecipação das parcelas de um financiamento, poupando dinheiro e direcionando melhor a sua renda para a realizar seus objetivos.

Se o seu objetivo é fazer um financiamento pagando menos, vale saber que, para definir as taxas que serão aplicadas em um financiamento ou qualquer outra modalidade de crédito, as instituições financeiras costumam avaliar o perfil de crédito do consumidor e o seu score, ou seja, a sua pontuação de crédito. Quanto melhor for essa pontuação, maiores serão as chances de aprovação do crédito — e com melhores condições de pagamento.

Então, fique atento às boas práticas que ajudam a manter seu score alto: manter o Cadastro Positivo ativo, pagar as contas em dia, manter o nome limpo e os dados cadastrais atualizados na Serasa facilitam conseguir uma boa pontuação.

Leia também | Qual score é bom para financiamento?

Para fechar, mais uma dica: antes de contratar um financiamento ou qualquer outra linha de crédito, utilize um simulador de empréstimo. Assim, você terá uma noção do valor total do crédito e será mais fácil avaliar se a proposta recebida é realmente interessante.